sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Principal suspeito dos atentados em Paris terá passado por 3 controlos policiais em França

O presumível terrorista Salah Abdeslam, suspeito de ter tido um papel importante nos ataques em Paris, terá passado por três controlos policiais em França antes de fugir para a Bélgica, afirmou hoje uma fonte próxima da investigação belga.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Charles Platiau / Reuters

Confirmando informações divulgadas numa reportagem do jornal Le Parisien/Aujourd'hui en France, esta fonte refere o testemunho de Hamza Attou, suspeito de ter infiltrado Salah Abdeslam em Bruxelas, após os ataques de 13 de novembro na capital francesa que fizeram 130 mortos e centenas de feridos.

Salah Abdeslam terá sido ainda ajudado por outro elemento identificado como Mohammed Amri.

Os três homens, que se encontraram em Paris, conheciam-se do bairro de Molenbeek, localizado nos subúrbios de Bruxelas.

Para evitar os controlos policiais, Salah Abdeslam pediu aos dois cúmplices para usarem estradas secundárias, mas eles perderam-se e acabaram por entrar numa autoestrada, segundo relatou a mesma fonte, citada pela agência francesa AFP.

A partir desse momento, Salah Abdeslam pediu-lhes para conduzirem sem excesso de velocidade.

Já na autoestrada, os suspeitos não conseguem evitar os controlos das autoridades, relatou ainda a fonte, e ao longo do percurso são mandados parar três vezes.

Os documentos de identificação dos três homens só são verificados no segundo e no terceiro controlos policiais.

No último controlo, perto de Cambrai, Salah dá aos agentes a sua morada em Molenbeek, mas, naquele momento, ainda não era procurado pelas autoridades.

A investigação sobre os ataques em Paris ainda prossegue em França e na Bélgica.

Salah Abdeslam, de 26 anos, continua ainda a monte.

Lusa

  • Proposta criação de 77 mil empregos através de uma descida da TSU
    1:23
  • Governo enfrenta vaga de contestação
    2:35

    Economia

    O Governo enfrenta uma onda de contestação. Guardas prisionais, procuradores, professores, médicos e enfermeiros descontentes ameaçam com greves nos diferentes setores, já nos meses de março e abril.

  • 296 mortos em 2 dias de bombardeamentos em Ghouta Oriental
    2:16
  • Tiroteio na Florida foi o 18.º registado em meio escolar nos EUA desde janeiro
    1:25