sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

França vai reforçar poderes policiais após o fim do estado de emergência

O governo francês está a preparar um projeto-lei que pretende reforçar os poderes da polícia, medida que entrará em vigor após o fim do estado de emergência decretado depois dos ataques terroristas de 13 de novembro em Paris.

© POOL New / Reuters

O diário francês Le Monde revelou hoje que a proposta legislativa foi enviada a 23 de dezembro ao Conselho de Estado, órgão que irá avaliar a legalidade do diploma.

Segundo o jornal, o texto tem como objetivo "obter ferramentas eficazes suscetíveis de reduzir a necessidade do estado de emergência".

Uma das medidas da proposta prevê que, em casos de terrorismo, as buscas administrativas a domicílios durante o período da noite, sem necessidade de ordem judicial, possam ser possíveis de forma preventiva, quando existe um risco de ameaça contra a vida ou contra a integridade física.

Estas buscas, que antes do estado de emergência não podiam ser realizadas antes das 06:00 da manhã, poderão ser efetuadas desde que exista uma informação judicial preliminar, ou seja, antes da designação de um magistrado para o processo.

Para os casos de crime organizado, as forças de ordem também poderão recorrer, por exemplo, a meios eletrónicos de interceção por rádio ou ter acesso a comunicações via computador ou telemóvel com uma simples autorização do Ministério Público.

O projeto-lei também prevê um agravamento das penas de prisão por tráfico de armas. A aquisição de armas por pessoas com cadastro criminal será igualmente alvo de mais restrições, estando prevista a criação de uma "lista negra" com os nomes dessas pessoas.

Ao nível dos agentes policiais, o diploma propõe uma diminuição das restrições para o uso da arma de serviço.

A França declarou o estado de emergência após os atentados de 13 de novembro em Paris, que provocaram 130 mortos e mais de 300 feridos. O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou os atentados.

A 20 de novembro, o parlamento francês aprovou quase por unanimidade o prolongamento, por um período de três meses, do estado de emergência. O fim do período de exceção está previsto para 26 de fevereiro.

Lusa

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.