sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Milhares em Paris contra manutenção do estado de emergência

galeria de fotos

Vários milhares de pessoas manifestaram-se hoje em Paris e em outras cidades francesas para contestar o estado de emergência em França e uma nova lei que permite retirar a cidadania francesa a culpados de terrorismo.

YOAN VALAT

YOAN VALAT

YOAN VALAT

YOAN VALAT

Os manifestantes, que responderam ao apelo de um coletivo de organizações não-governamentais, incluindo a Liga dos Direitos Humanos e vários sindicatos, exigiram o levantamento imediato do estado de emergência, decretado após os atentados terroristas de 13 de novembro que fizeram 130 mortos em Paris, e o abandono de um projeto-lei que prevê a retirada da cidadania francesa a pessoas condenadas por atividades terroristas.

As medidas "colidem e prejudicam as nossas liberdades em nome de uma hipotética segurança", referiu o coletivo de organizações, num comunicado.

A manifestação na capital francesa reuniu 5.000 pessoas, segundo a polícia, enquanto o número dos organizadores é mais elevado: 20.000 pessoas.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, assegurou na quarta-feira que o estado de emergência, que o executivo de Paris deseja prolongar até finais de maio, irá ser "necessariamente limitado no tempo".

Em declarações à estação pública britânica BBC, Valls disse que, através dos termos do estado de emergência, a França "poderá utilizar todos os meios" contra o terrorismo e até à derrota final do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Para algumas vozes da sociedade francesa, estas declarações de Valls revelam uma eventual intenção de prolongar o estado de emergência por anos.

A intenção do Governo francês em avançar com medidas para retirar a cidadania a condenados por terrorismo motivou a demissão na quarta-feira da ministra da Justiça, Christiane Taubira, que alegou um "grande desacordo político" com o Presidente francês, François Hollande, e com o primeiro-ministro, Manuel Valls.

Esta regra, que só poderá ser aplicada aos cidadãos com dupla nacionalidade, está prevista num projeto de revisão constitucional, que também prevê incluir na Constituição francesa a figura de estado de emergência.

De acordo com o executivo francês, a ideia é proteger e enquadrar legalmente os termos do estado de emergência. Estas medidas devem ser debatidas dentro de poucos dias no parlamento.

Quatro em cada cinco franceses são a favor de um prolongamento do estado de emergência, segundo uma recente sondagem.

Lusa

  • Marcelo condecora hoje Francisco Sá Carneiro a título póstumo
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar hoje Francisco Sá Carneiro, a título póstumo. A cerimónia será incluída nas celebrações do 25 de Abril. Também a título póstumo, o Presidente da República vai ainda homenagear o antigo bispo do Porto D. António Ferreira Gomes. As condecorações têm lugar esta tarde no Palácio de Belém para onde já estava marcada a condecoração do arquiteto Siza Vieira. Todos, diz Marcelo, são figuras ligadas à liberdade e democracia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.