sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Bataclan em obras para reabrir no final do ano

A sala de espetáculos Bataclan, onde 90 pessoas foram mortas a 13 de novembro por três jihadistas nos atentados de Paris, vai ser submetida a obras e reabrirá no final deste ano, anunciou esta quarta-feira a direção.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Charles Platiau / Reuters

"Hoje, queremos partilhar convosco uma notícia importante: decidimos renovar o Bataclan. Faremos todos os possíveis para acolher novamente espetáculos antes do fim do ano de 2016", indicou a direção em comunicado.

O principal proprietário do Bataclan, o grupo Lagardère, precisou estar a fazer "o máximo para reabrir a sala no final de 2016", embora as obras não tenham ainda começado.

No início de dezembro do ano passado, os dois dirigentes históricos da sala, Olivier Poubelle e Jules Frutos, sócios paritários, tinham já anunciado que desejavam reabrir no final de 2016.

O Bataclan, onde 90 pessoas morreram nos atentados de 13 de novembro (que fizeram, no total, 130 mortos), é uma das mais célebres salas de espetáculo de Paris, com uma capacidade de 1500 lugares.

Situada no centro-leste da capital francesa, esta grande sala acolhia nessa noite um concerto da banda de rock norte-americana Eagles of Death Metal, quando três 'jihadistas' armados e envergando coletes com explosivos entraram e abriram fogo sobre a audiência.

Desde a sua renovação nos anos 1970, desfilaram pela sala, que se tornou um local muito popular da noite parisiense, muitas estrelas da música francesas e internacionais.

Construído em 1864 como "Grand Café Chinois -- Théâtre Bataclan", e depois restaurado em 1952, o nome do edifício faz referência a Ba-ta-clan, uma opereta de Offenbach, e está classificado como monumento histórico.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.