sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Bataclan em obras para reabrir no final do ano

A sala de espetáculos Bataclan, onde 90 pessoas foram mortas a 13 de novembro por três jihadistas nos atentados de Paris, vai ser submetida a obras e reabrirá no final deste ano, anunciou esta quarta-feira a direção.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Charles Platiau / Reuters

"Hoje, queremos partilhar convosco uma notícia importante: decidimos renovar o Bataclan. Faremos todos os possíveis para acolher novamente espetáculos antes do fim do ano de 2016", indicou a direção em comunicado.

O principal proprietário do Bataclan, o grupo Lagardère, precisou estar a fazer "o máximo para reabrir a sala no final de 2016", embora as obras não tenham ainda começado.

No início de dezembro do ano passado, os dois dirigentes históricos da sala, Olivier Poubelle e Jules Frutos, sócios paritários, tinham já anunciado que desejavam reabrir no final de 2016.

O Bataclan, onde 90 pessoas morreram nos atentados de 13 de novembro (que fizeram, no total, 130 mortos), é uma das mais célebres salas de espetáculo de Paris, com uma capacidade de 1500 lugares.

Situada no centro-leste da capital francesa, esta grande sala acolhia nessa noite um concerto da banda de rock norte-americana Eagles of Death Metal, quando três 'jihadistas' armados e envergando coletes com explosivos entraram e abriram fogo sobre a audiência.

Desde a sua renovação nos anos 1970, desfilaram pela sala, que se tornou um local muito popular da noite parisiense, muitas estrelas da música francesas e internacionais.

Construído em 1864 como "Grand Café Chinois -- Théâtre Bataclan", e depois restaurado em 1952, o nome do edifício faz referência a Ba-ta-clan, uma opereta de Offenbach, e está classificado como monumento histórico.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.