sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Detido na Argélia um suspeito de ter ligações aos ataques de Paris

Um argelino residente na Bélgica alegadamente com ligações aos ataques terroristas de 13 de novembro em Paris foi hoje detido pelo Ministério Público de Bugia, na Argélia.

Um homem com a camisola manchada de sangue é acompanhado pela polícia após o ataque ao Bataclan, Paris, 13 novembro

Um homem com a camisola manchada de sangue é acompanhado pela polícia após o ataque ao Bataclan, Paris, 13 novembro

© Philippe Wojazer / Reuters

O suspeito está em prisão preventiva em Akbou, na província de Bugia (250 quilómetros a este da capital argelina, Argel), precisou um comunicado do Ministério Público local, citado pela agência noticiosa senegalesa (AFS).

A procuradoria indica que o argelino é suspeito "de ter ligações aos ataques terroristas de Paris, perpetrados em novembro passado".

O homem foi detido na sequência de relatos de "possível envolvimento com terrorismo e participação num grupo terrorista ativo", acrescenta.

O suspeito foi detido depois de ter respondido a uma intimação do tribunal de primeira instância de Akbou, acrescentou a procuradoria, sem revelar a identidade do suspeito e o seu suposto papel nos ataques.

De acordo com o diário Le Soir d'Algérie, o detido é Zouhir Mehdaoui, de 29 anos, que terá trocado a Argélia pela Turquia, em 2012.

Apresentado como próximo de Abdelhamid Abaaoud, um dos presumíveis mentores dos ataques de Paris, Zouhir Mehdaoui viveu na Grécia, antes de se estabelecer perto de Bruxelas, onde se casou com uma belga, de acordo com o diário argelino.

Os ataques 'jihadistas' de 13 de novembro fizeram 130 mortos e dezenas de feridos em vários locais de Paris, capital francesa.

Lusa

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08