sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

ADN do último suspeito identificado dos ataques de Paris detetado em explosivos

O ADN de Najim Laacharaoui, último presumível cúmplice identificado na investigação sobre os atentados de Paris, foi encontrado no material explosivo utilizado nos ataques que provocaram 130 mortos em 13 de novembro, indicou hoje fonte próxima do inquérito.

LAURENT DUBRULE

O homem, com 24 anos e que partiu para a Síria em fevereiro de 2013, é procurado deste 4 de dezembro, indicou o procurador federal belga.

O suspeito tinha sido controlado no início de setembro sob a falsa identidade de Soufiane Kayal na fronteira austro-húngara na companhia de Salah Abdeslam, considerado um elemento chave dos atentados e preso na sexta-feira em Bruxelas, e de Mohamed Belkaid, um argelino de 35 anos abatido pela polícia na terça-feira em Forest, na zona sudoeste de Bruxelas.

Com este nome, tinha alugado uma casa em Auvelais, perto de Namur, na Bélgica, utilizada para preparar os atentados jihadistas em Paris.

Os investigadores também suspeitam que, juntamente com Mohamed Belkaid, tenha estado em contacto telefónico com os kamikaze na noite de 13 de novembro.

Na perspetiva das autoridades envolvidas no inquérito, existe uma forte possibilidade que tenha sido o destinatário do sms "Partimos, vamos começar", enviado no final da tarde de 13 de novembro por um dos kamikaze da sala de espetáculos do Bataclan para um telefone móvel localizado na Bélgica.

Um outro número belga contactou nesse dia Abdelhamid Abaaoud, presumível organizador dos ataques, e a partir do mesmo local em Bruxelas. Abaaoud foi morto em 18 de novembro pela polícia francesa no decurso de uma operação num prédio em Saint-Denis, um subúrbio parisiense.

Estas atentados, os mais graves ocorridos em França, provocaram 130 mortos e várias centenas de feridos, com 39 pessoas a serem mortas em cafés e restaurantes e 90 no Bataclan.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.