sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

França e Bélgica continuam a procurar envolvidos nos ataques de Paris

O procuradores belga e francês confirmaram hoje, em Bruxelas, as buscas de mais pessoas envolvidas nos ataques de 13 de novembro de Paris, mas escusaram-se a dar pormenores do processo.

LAURENT DUBRULE

Numa conferência de imprensa conjunta, o belga Frederic Van Leeuw e o francês François Molins saudaram a cooperação entre os dois países e confirmaram apenas que as "investigações ainda não acabaram" em relação aos atentados que mataram 130 pessoas.

Os responsáveis afirmaram a necessidade de se encontrarem "outras pessoas" que devem acrescentar explicações aos ataques.

Segundo Van Leeuw, "está se longe de terminar o "puzzle".

Van Leeuw escusou-se a comentar o interrogatório e se tem havido cooperação de Salah Abdeslam, detido na sexta-feira, em Bruxelas, quatro meses depois de buscas, sob acusação de envolvimento nos ataques na capital francesa.

O procurador adiantou, porém, que decorreram até ao momento interrogatórios por parte dos investigadores e pelo juiz de instrução.

O mesmo responsável revelou que 60 novos 'dossiers' em relação a terrorismo foram abertos desde o início do ano, na Bélgica.

Hoje, a procuradoria federal belga identificou um novo suspeito de ter participado nos atentados terroristas de Paris, em novembro de 2015, e que era conhecido sob um nome falso.

O presumível cúmplice foi identificado como Najim Laachraoui, de 24 anos, mais conhecido pelo nome falso de Sufiane Kayal.

"As investigações revelaram que Sufiane Kayal pode ser identificado como Najim Laachraui, nascido a 18 de maio de 1991 e que viajou para a Síria em fevereiro de 2013", segundo um comunicado da procuradoria.

Laachraui é suspeito de ter estado em contacto telefónico com membros do comando terrorista na noite de 13 de novembro.

A identificação de Laachraui foi feita após a captura de Salah Abdeslam.

Abdeslam foi já formalmente acusado de homicídios terroristas e de participação em atividades organização terrorista.

Os atentados de 13 de novembro em Paris, reivindicados pelo grupo extremista Daesh (acrónimo para o auto-proclamado Estado Islâmico), fizeram 130 mortos e mais de 300 feridos.

Lusa

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John Mccain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06
  • Menos casos de sida em Portugal
    1:44