sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Bataclan reabre em novembro, um ano após os ataques de Paris

A direção da sala de concertos parisiense Bataclan, onde em novembro três bombistas-suicidas mataram 90 pessoas, anunciou hoje que vai reabrir um ano depois dos ataques com quatro concertos, o primeiro dos quais do músico britânico Pete Doherty.

© Benoit Tessier / Reuters

Os trabalhos de renovação da sala começaram e, embora "a data exata da reabertura ainda não esteja marcada", a direção do Bataclan já agendou quatro concertos: o britânico Pete Doherty a 16 de novembro, o senegalês Youssou N'Dour e a sua banda Le Super Étoile de Dakar a 18 de novembro, a banda norte-americana Nada Surf a 2 de dezembro e o grupo de rap francês MZ a 3 de dezembro.

"Outros concertos e espetáculos serão anunciados nos próximos dias", acrescenta a direção num comunicado.

A sala de espetáculos, no centro de Paris, foi um dos alvos dos atentados de 13 de novembro de 2015, durante um concerto da banda norte-americana Eagles of Death Metal. A sala mantém-se fechada desde então.

A direção do Bataclan explica no texto que as obras em curso são para recuperar as infraestruturas e equipamentos da sala, "sem modificar o arranjo" do espaço, para "preservar o calor e convivialidade" e "manter o espírito popular e festivo que sempre teve".

Além do Bataclan, os ataques visaram o Stade de France e esplanadas do centro da capital de França, onde outras 40 pessoas foram mortas.

Lusa

  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.

  • PJ de Portimão deteve italiano foragido
    0:55

    País

    A Polícia Judiciária de Portimão deteve em Lagos um homem italiano que aguardava extradição. O antigo piloto de automóveis esteve foragido durante quase um ano, depois de ter cortado a pulseira eletrónica.