sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Áustria entrega a França dois suspeitos de participarem nos ataques de Paris

Áustria vai entregar às autoridades francesas dois homens suspeitos de terem participado nos ataques de 13 de novembro em Paris e que foram detidos num centro de refugiados em dezembro, informaram fontes judiciais.

Adel Haddadi, um argelino de 28 anos, e Mohammad Usman, um paquistanês de 34 anos, foram detidos a 10 de dezembro em Salzburgo.

Fonte próxima da investigação em França confirmou à agência noticiosa AFP a transferência dos dois homens sob quem pendia um mandado de captura europeu emitido pelas autoridades francesas.

A procuradoria-geral de Salzburgo recusou-se a confirmar a informação. Segundo a mesma fonte, Adel Haddadi terá "provavelmente participado nos assassínios em Paris".

"Ele desembarcou na ilha de Leros (Grécia) a 03 de outubro, juntamente com Mohammad Usman e dois iraquianos, não identificados, que se fizeram explodir perto do estádio de França, em Saint-Denis, a 13 de novembro", explicou.

Depois de chegarem a Leros, a polícia grega detetou que os passaportes de Haddadi e Usman eram falsos e os homens foram detidos e transferidos para um centro de acolhimento na Áustria.

O suspeito argelino juntou-se ao grupo extremista Estado Islâmico em fevereiro de 2015 e o paquistanês é descrito como um pirotécnico próximo de dois grupos extremistas paquistaneses ligados à Al-Qaida.

Os ataques de novembro em Paris, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico, provocaram 130 mortos e mais de 350 feridos.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.