sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Áustria entrega a França dois suspeitos de participarem nos ataques de Paris

Áustria vai entregar às autoridades francesas dois homens suspeitos de terem participado nos ataques de 13 de novembro em Paris e que foram detidos num centro de refugiados em dezembro, informaram fontes judiciais.

Adel Haddadi, um argelino de 28 anos, e Mohammad Usman, um paquistanês de 34 anos, foram detidos a 10 de dezembro em Salzburgo.

Fonte próxima da investigação em França confirmou à agência noticiosa AFP a transferência dos dois homens sob quem pendia um mandado de captura europeu emitido pelas autoridades francesas.

A procuradoria-geral de Salzburgo recusou-se a confirmar a informação. Segundo a mesma fonte, Adel Haddadi terá "provavelmente participado nos assassínios em Paris".

"Ele desembarcou na ilha de Leros (Grécia) a 03 de outubro, juntamente com Mohammad Usman e dois iraquianos, não identificados, que se fizeram explodir perto do estádio de França, em Saint-Denis, a 13 de novembro", explicou.

Depois de chegarem a Leros, a polícia grega detetou que os passaportes de Haddadi e Usman eram falsos e os homens foram detidos e transferidos para um centro de acolhimento na Áustria.

O suspeito argelino juntou-se ao grupo extremista Estado Islâmico em fevereiro de 2015 e o paquistanês é descrito como um pirotécnico próximo de dois grupos extremistas paquistaneses ligados à Al-Qaida.

Os ataques de novembro em Paris, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico, provocaram 130 mortos e mais de 350 feridos.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras