sicnot

Perfil

Atentado em Istambul

Atentado em Istambul

Atentado em Istambul

Aeroporto de Istambul volta a operar após atentado

O aeroporto de Istambul, alvo de um triplo atentado suicida, que fez 36 mortos e mais de uma centena de feridos, voltou a operar, mas ainda são poucos os voos previstos, informa o diário Hürriyet na sua versão digital.

© Osman Orsal / Reuters

Segundo as autoridades turcas, três atacantes abriram fogo na entrada do terminal internacional antes de se fazerem explodir por volta das 22:00 de terça-feira (20:00 em Lisboa), levando à suspensão de todos os voos no aeroporto Atatürk, o maior da Turquia e um dos que tem mais movimentados no mundo.

O primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, que se deslocou ao local, afirmou que o aeroporto voltou a abrir, após um encerramento de aproximadamente cinco horas.

Segundo a informação disponível no portal do aeroporto, a grande maioria dos voos continuam cancelados ou atrasados, embora alguns aviões tenham já aterrado ou estejam a preparar-se para descolar, tanto no terminal internacional como dos voos domésticos.

A televisão NTV confirma que o aeroporto se encontra aberto ao público e prepara o regresso à normalidade.

A maioria dos voos que tinha chegada prevista durante o período do encerramento foi desviada para a cidade de Esmirna, situada a cerca de 300 quilómetros.

A companhia aérea de bandeira turca, a Turkish Airlines, anunciou que altera ou cancela, de forma gratuita, todos os bilhetes de avião emitidos até 31 de julho.

O atentado de terça-feira foi o mais mortífero dos quatro registados na maior cidade da Turquia este ano.

A autoria de dois foi atribuída ao grupo extremista Estado Islâmico e outro foi reivindicado por um grupo curdo. O de terça-feira ainda não foi reivindicado, embora o primeiro-ministro turco tenha indicado que os indícios apontam para o Estado Islâmico.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.