sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Governo português em contacto com autoridades francesas

O secretário de Estado da Comunidades, José Luís Carneiro, disse hoje à agência Lusa que o Governo está a acompanhar a situação em Nice, sul de França, e que está em contacto com as autoridades francesas.

"Queremos transmitir a todos aqueles que tenham familiares em Nice que a Secretaria de Estado da Comunidades e o Ministério dos Negócios Estrangeiros estão a acompanhar, em contacto com as autoridades consulares em Marselha e em Nice, e em diálogo com as autoridades francesas e assim que houver informação será disponibilizada", afirmou o secretário de Estado.

Segundo o secretário de Estado, a informação será disponibilizada pelo consulado-geral de Marselha, pelo consulado de Nice e na página na Internet da Secretaria de Estado das Comunidades.

"Estamos em contacto direto com o nosso consulado-geral em Marselha, que por sua vez está em contacto com o nosso consulado honorário (em Nice), que está em contacto com a prefeitura da região de Marselha e nos está a dar informação sobre o que está a acontecer e todos os dados objetivos que é possível, neste momento, ter", afirmou José Luís Carneiro.

Atualmente, estão em Nice cerca de 10 mil portugueses, especificou o secretário de Estado.

Um camião atingiu esta noite uma multidão em Nice, França, na Promenade des Anglais, quando assistiam a um fogo de artifício para celebrar o dia de França.

Há informação de pelo menos 70 mortos e uma centena de feridos, segundo as autoridades. O condutor do camião foi abatido pela polícia.

As autoridades francesas já consideraram este ataque um atentado e o Presidente da França, François Hollande, vai reunir o gabinete de crise.

Lusa

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05