sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Governo português repudia e condena ataque em França

O Governo português "repudia e condena veementemente" o atentado ocorrido quinta-feira à noite em Nice, França, e o primeiro-ministro, António Costa, já enviou mensagens de condolências ao Presidente francês, François Hollande, e ao seu homólogo, Manuel Valls.

© Eric Gaillard / Reuters

Num comunicado do Governo português, assinado pelo primeiro-ministro, António Costa, o executivo "repudia e condena veementemente este atentado que, mais uma vez, ataca a França e todos os europeus".

"Lamentamos as vítimas e manifestamos total solidariedade para com França e os franceses nesta luta contra o terrorismo. A embaixada e consulados portugueses estão a trabalhar com autoridades francesas e disponíveis para ajudar todos os que necessitem", refere-se no mesmo comunicado.

Nesta nota salienta-se também que "Portugal sofre com a França neste dia 14 de julho, dia nacional da França". "Todos partilhamos os seus valores: Liberdade, igualdade, fraternidade", acrescenta-se.

As autoridades francesas elevaram já para pelo menos 60 mortos e mais de 100 feridos o número de vítimas em resultado do embate de um camião contra uma multidão esta noite em Nice, sul de França.

Um camião branco atingiu na noite de quinta-feira uma multidão em Nice, na avenida marginal da cidade, a Promenade des Anglais, quando as pessoas assistiam a um fogo-de-artifício para celebrar o dia nacional de França.

O condutor do camião foi abatido pela polícia.

As autoridades francesas consideram estar perante um atentado terrorista e o Presidente da França, François Hollande, vai reunir o gabinete de crise.

Este atentado ocorreu no dia nacional de França, em que se celebra a Tomada da Bastilha, evento histórico que marcou o início da Revolução Francesa em 1789.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.