sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Egito condenam ataque

A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Egito condenaram hoje o atentado em Nice, sul do país, que causou pelo menos 84 mortos, assegurando à França o seu apoio na luta contra o terrorismo.

© Eric Gaillard / Reuters

A Arábia Saudita, atingida há cerca de dez dias por ataques mortais, garantiu à "França amiga" a sua "solidariedade e cooperação para combater o terrorismo em todas as suas formas", disse A Ryad, porta-voz do reino, citado pela agência noticiosa Spa.

Em Abou Dhabi, Emirados Árabes Unidos, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Abdallah ben Zayed Al-Nahyane, classificou o atentado como "um crime desprezível" e expressou "total solidariedade e apoio" do seu país a França.

"Depois deste crime terrorista hediondo, todos os países devem trabalhar com firmeza e sem hesitação na luta contra o terrorismo", disse o mesmo responsável, num comunicado divulgado pela agência Wam.

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos integram juntamente com a França a coligação internacional, liderada pelos EUA, que luta contra os jihadistas do grupo Daesh na Síria e no Iraque.

O ataque não foi reivindicado, mas o Presidente francês, François Hollande, disse que "toda a França" está "sob a ameaça do terrorismo islâmico".

O Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, cujo país enfrenta ataques jihadistas, reafirmou "a total solidariedade do Egito com a França amiga" e o apoio do seu país "aos esforços internacionais na luta contra o terrorismo".

"O terrorismo não conhece fronteiras e destrói vidas inocentes em todo o mundo", disse o Presidente egípcio, através de um comunicado.

Um homem lançou quinta-feira à noite um camião contra uma multidão na avenida marginal de Nice, a Promenade des Anglais, que assistia a um fogo-de-artifício para celebrar o dia nacional de França (Tomada da Bastilha), provocado pelo menos 84 mortos e mais de 100 feridos, 18 dos quais em estado considerado crítico.

As autoridades francesas consideram estar perante um atentado terrorista e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado.

A autoria do ataque ainda não foi reivindicada.


Lusa

  • Mário Centeno lidera hoje a primeira reunião do Eurogrupo
    1:56
  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

  • Quem são os arguidos da operação Fizz
    2:29

    País

    É já considerado o julgamento do ano da justiça portuguesa e o caso que está a abalar as relações entre Portugal e Angola. O processo da operação Fizz tem quatro arguidos, mas um deles, já é certo, não irá sentar-se esta segunda-feira no banco dos réus.

  • Que shutdown é este que paralisou os EUA?
    2:27
  • Casal que mantinha filhos acorrentados queria participar num reality show
    3:15
  • Quase 100 atletas testemunharam contra médico Larry Nassar
    1:38

    Desporto

    Quase 100 atletas e antigas ginastas da seleção dos Estados Unidos da América confrontaram esta semana, em tribunal, o médico Larry Nassar, acusado de assédio sexual. Em dezembro, o clínico foi condenado a 60 anos de prisão por um tribunal do Michigan, por posse de pornografia infantil.