sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Autor do massacre em Nice alugou camião com documentação válida

O camião utilizado pelo autor do atentado de Nice foi alugado na passada segunda-feira com documentação válida pelo homem identificado como o autor do massacre, revelou hoje o canal de televisão francês France2.

© Jean-Pierre Amet / Reuters

Foi uma empresa de Saint Laurent du Var, a poucos quilómetros do oeste de Nice, que alugou o veículo a Mohamed Bouhlel, o homem que atropelou dezenas de pessoas no Promenade des Anglais (Passeio dos Ingleses) em Nice, onde havia milhares de espectadores a assistir ao fogo-de-artifício na comemoração do feriado nacional francês.

Bouhlel foi abatido pela polícia depois de ter percorrido vários quilómetros pela marginal, que estava fechada ao trânsito.

No interior do veículo foi encontrada uma pistola de calibre 7.65 usada, bem como duas grandes armas e granadas, neste caso falsas.

O canal France2 mostrou imagens de duas moradas em dois bairros da capital da Costa Azul, onde a polícia fez buscas, e que correspondem a um apartamento onde vivia o autor do atentado, um tunisino de 31 anos, e no segundo com outros familiares seus.

Bouhlel, com autorização de residência em França, trabalhava em serviços de entregas e tinha antecedentes de delinquência comum, mas não estava registado pelos serviços secretos franceses por suspeita de ligações com o terrorismo.

A emissora France Info falou com vários vizinhos que o descreveram como um muçulmano pouco praticante e que gostava de dançar salsa e das mulheres.

Em janeiro protagonizou uma discussão na sequência de um acidente rodoviário após o que ficou sob vigilância judicial.

Uma das questões chave para os investigadores é saber se houve cúmplices. A esse respeito, a France2 realçou que a análise às imagens de videovigilância do Passeio dos Ingleses mostra que mais ninguém subiu ou desceu do camião depois do ataque.

Um camião atingiu na quinta-feira à noite uma multidão quando decorria um fogo-de-artifício para celebrar o dia de França.

O último balanço das autoridades francesas aponta para 84 mortos e uma centena de feridos, 18 dos quais continuam em estado considerado crítico. O condutor do camião foi abatido pela polícia.

As autoridades francesas já consideraram estar perante um atentado e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado. França decretou luto nacional de três dias.

A autoria do ataque ainda não foi reivindicada.


Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29