sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Boris Johnson "chocado" e "triste" com atentado em Nice

O novo ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, afirmou hoje estar "chocado" e "triste" com o atentado perpetrado em Nice, no sul de França, que fez pelo menos 84 mortos.

© POOL New / Reuters

Na sua conta na rede social Twitter, o chefe da diplomacia britânica manifestou o seu profundo pesar pelos "terríveis acontecimentos em Nice" e pela "perda de vidas".

O chefe da diplomacia britânica indicou também entretanto estar em contacto com as autoridades daquela cidade francesa para reunir mais informação sobre o ataque e comunicou a sua disponibilidade para ajudar os colegas franceses.

Por outro lado, um porta-voz da residência oficial de Downing Street disse que a primeira-ministra britânica, Theresa May, foi já colocada a par dos acontecimentos.

Segundo o mais recente balanço oficial, pelo menos 84 pessoas morreram e uma centena de outras ficaram feridas -- incluindo 18 em estado crítico, depois de um camião ter atingido, na noite de quinta-feira, uma multidão na avenida marginal da cidade, a Promenade des Anglais, quando as pessoas assistiam a um fogo-de-artifício para celebrar o dia nacional de França.

O condutor do camião foi abatido pela polícia.

As autoridades francesas consideram estar perante um atentado terrorista e o Presidente de França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado.

O ataque ainda não foi reivindicado.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras