sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Embaixada em Washington cancela festa, Obama condena, Felipe VI solidário

O embaixador da França nos Estados Unidos cancelou esta noite o baile de 14 de julho que estava previsto para a embaixada em Washington e informou a comunidade francesa que estava presente do atentado em Nice.

OLIVIER ANRIGO

Esta noite em Nice um camião atingiu as pessoas que festejavam o dia de França na marginal e provocou pelo menos 70 mortos, segundo as autoridades.

Na embaixada de França em Washington estavam centenas de pessoas no salão e nos jardins, que se preparavam para o baile quando foram informadas da tragédia pelo embaixador, que cancelou a iniciativa.

Também em Washington a Casa Branca disse que o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, já tinha sido informado do ataque em Nice.

Obama manifestou solidariedade com a França e condenou "o que parece ser um horrível ataque terrorista". A Casa Branca está em contacto com as autoridades francesas e já se manifestou disponível para ajudar as autoridades gaulesas na investigação do ataque, disse o Presidente dos Estados Unidos.

O gabinete da primeira-ministra britânica também informou que Theresa May está a ser informada da situação em Nice. "Os nossos pensamentos estão com todos os que foram afetados poe este terrível acidente num dia em que era para ser de celebração", disse um porta-voz.

Em Espanha o Rei informou que também segue atentamente a situação em Nice. Felipe VI já expressou o apoio e solidariedade do povo espanhol para com a França.

O candidato republicano à Casa Branca também já comentou o atentado de Nice, afirmando na sua conta do Twitter: "Outro ataque horrível, desta vez em Nice, França. Muitos mortos e feridos. Quando é que vamos aprender? Isto só está a piorar". Donald Trump adiou a conferência de imprensa que tinha prevista para hoje, para anunciar a sua escolha para vice-Presidente.

Lusa

  • Europol deteve grupo que vendia euros falsos na Darkweb

    Mundo

    A Europol anunciou hoje a detenção de oito pessoas suspeitas de pertencerem a um grupo criminoso considerado como um dos maiores fornecedores de euros falsos vendidos online, no âmbito de uma operação realizada pelas autoridades italianas.