sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Há pelo menos nove estrangeiros entre as vítimas mortais em Nice

Pelo menos nove das 84 vítimas mortais de um camião desgovernado que embateu contra a multidão, que, na quinta-feira à noite, festejava um feriado nacional na cidade francesa de Nice, são estrangeiras.

© Pascal Rossignol / Reuters

O Departamento de Estado dos Estados Unidos informou que dois americanos morreram no que as autoridades francesas pensam ser um ataque terrorista. Segundo o diário texano American-Statesman, trata-se de dois veraneantes, que passavam férias em família, na cidade costeira francesa.

Também o ministro dos Negócios Estrangeiros russo já confirmou, através da rede social Facebook, que há uma estudante russa entre as vítimas mortais.

O mesmo fizeram os representantes das diplomacias arménia, ucraniana e suíça -- há um cidadão de cada país na lista de baixas da carnificina de Nice, que tem sido atribuída ao condutor do camião, um franco-tunisino residente na cidade.

Pelo menos três alemães, uma professora e dois alunos, que estavam de visita a Nice, foram igualmente mortos, segundo informaram responsáveis escolares locais.

Por seu lado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros belga reconheceu não ter indicações sobre o paradeiro de duas dezenas de cidadãos nacionais.

Entre as dezenas de feridos já registados, estão pelo menos três estrangeiros, um britânico e dois romenos.

Para já, não foi identificado nenhum cidadão português entre as vítimas. "A embaixada e os consulados portugueses em França, em coordenação com as autoridades francesas, estão a acompanhar a situação e a prestar os esclarecimentos e o apoio necessários aos cidadãos portugueses", garantiu o Governo, em comunicado enviado às redações.


Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite