sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Juncker reafirma unidade de determinação da UE contra o terrorismo

O presidente da Comissão Europeia disse hoje que a França pode contar com a instituição e com os outros países-membros da União Europeia contra o terrorismo, após o atentado em Nice, que fez pelo menos 84 mortos.

© Eric Vidal / Reuters

"A nossa determinação [em lutar contra o terrorismo], dentro e fora da UE, permanece firme, tal como a nossa unidade", assinalou Jean-Claude Juncker, em comunicado.

Juncker, que se mostrou "profundamente afetado" pelo atentado ocorrido naquela cidade do sul de França, expressou ainda a sua "grande solidariedade" para com as vítimas, os seus familiares e para com todos os franceses, após o "ato de terrorismo".

Segundo o mais recente balanço oficial, pelo menos 84 pessoas morreram e mais de uma centena ficaram feridas -- incluindo 18 em estado crítico -- depois de, na noite de quinta-feira, um camião ter atingido uma multidão na avenida marginal da cidade de Nice, a Promenade des Anglais, que assistia a um espetáculo de fogo-de-artifício para celebrar o dia nacional de França.

As autoridades francesas consideram estar perante um atentado terrorista e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado.

A autoria do ataque ainda não foi reivindicada.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.