sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Juncker reafirma unidade de determinação da UE contra o terrorismo

O presidente da Comissão Europeia disse hoje que a França pode contar com a instituição e com os outros países-membros da União Europeia contra o terrorismo, após o atentado em Nice, que fez pelo menos 84 mortos.

© Eric Vidal / Reuters

"A nossa determinação [em lutar contra o terrorismo], dentro e fora da UE, permanece firme, tal como a nossa unidade", assinalou Jean-Claude Juncker, em comunicado.

Juncker, que se mostrou "profundamente afetado" pelo atentado ocorrido naquela cidade do sul de França, expressou ainda a sua "grande solidariedade" para com as vítimas, os seus familiares e para com todos os franceses, após o "ato de terrorismo".

Segundo o mais recente balanço oficial, pelo menos 84 pessoas morreram e mais de uma centena ficaram feridas -- incluindo 18 em estado crítico -- depois de, na noite de quinta-feira, um camião ter atingido uma multidão na avenida marginal da cidade de Nice, a Promenade des Anglais, que assistia a um espetáculo de fogo-de-artifício para celebrar o dia nacional de França.

As autoridades francesas consideram estar perante um atentado terrorista e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado.

A autoria do ataque ainda não foi reivindicada.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41