sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Organização Mundial do Turismo diz que se deve visitar França para contrariar o terrorismo

O secretário-geral da Organização Mundial do Turismo (OMT), Taleb Rifai, apelou esta sexta-feira aos turistas que exprimam a sua solidariedade para com a França, visitando o país e contrariando, assim, o terrorismo.

© Jean-Pierre Amet / Reuters

"Este é o momento para visitar a França", afirmou Taleb Rafai aos jornalistas no Sri Lanka, à margem de uma conferência sobre o turismo, depois do atentado de quinta-feira à noite, de que resultou a morte de pelo menos 84 pessoas.

"Não é altura de fugir. Não podemos punir as vítimas e recompensar os agressores ao deixar de viajar para os lugares atingidos, porque é exatamente isso o que os terroristas querem", disse o secretário-geral desta agência especializada das Nações Unidas destinada a promover e desenvolver o turismo.

Apesar dos atentados recentemente registados na Turquia, Bangladesh, França, Bélgica, Egito, entre outros, Taleb Rifai disse que o turismo deverá registar um crescimento global de 4,5%.

Um camião atingiu na quinta-feira à noite uma multidão em Nice, França, na Promenade des Anglais, quando decorria um fogo de artifício para celebrar o dia de França.

O último balanço das autoridades francesas aponta para 84 mortos e 202 feridos.

Entre as vítimas mortais contam-se "dez crianças e adolescentes", afirmou François Mollins, procurador de Paris responsável pela secção antiterrorista do ministério público francês.

Das 202 pessoas que ficaram feridas, 52 estão entre a vida e a morte, precisou o magistrado.

Pelo menos um cidadão português ficou ferido no ataque, confirmou hoje o Governo português.

O condutor do camião foi abatido pela polícia.

As autoridades francesas já consideraram estar perante um atentado e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado. França decretou luto nacional de três dias.

A autoria do ataque ainda não foi reivindicada.

Lusa

  • "O ministro está na frigideira"
    5:33

    Opinião

    O ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, "está cada vez mais numa posição fragilizada" devido às suspeitas de irregularidades na associação Raríssimas, diz o subdiretor de Informação da SIC, Bernardo Ferrão. Vieira da Silva já falou sobre o caso duas vezes, mas "sempre de forma algo atralhada" e "ainda não matou todas as dúvidas".

    Bernardo Ferrão

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55
  • Democratas não venciam no Alabama há 27 anos
    1:50