sicnot

Perfil

Atentado em Nice

PR brasileiro lamenta ataque "no dia que eternizou fraternidade"

O Presidente interino do Brasil, Michel Temer, lamentou o atentado ocorrido em Nice, no sul de França, esta quinta-feira, "dia que eternizou a fraternidade", e qualificou a ação de "abjeta e ultrajante".

© Adriano Machado / Reuters

"É lamentável que no dia que eternizou a fraternidade como lema do povo francês um atentado destrua a vida de tantos cidadãos", escreveu o chefe de Estado brasileiro na sua conta na rede social Twitter.

Em nota, Michel Temer disse que "o povo francês foi vítima da mais injustificada intolerância", e qualificou de "abjeta e ultrajante a ação perpetrada contra inocentes que celebravam os mais elevados valores universais: a liberdade dos povos, a igualdade entre os cidadãos e a fraternidade como elemento das relações entre seres humanos".

"Os assassinos não conseguirão o seu intento. Muito ao contrário, apenas reforçarão os laços entre países livres, que buscam a igualdade de condição entre as nações do mundo. E a fraternidade continuará a guiar os nossos povos", acrescentou.

Michel Temer disse ainda que "hoje, mais do que nunca, somos todos franceses, irmãos na dor e solidariedade a todos os mortos e feridos, suas famílias e amigos".

"O Brasil une-se a todos que desejam e lutam pela paz e harmonia no mundo. Estamos juntos contra a intolerância e a barbárie", vincou.

As autoridades falam entre 75 e 77 mortos e mais de 100 feridos provocados pelo camião que embateu durante dois quilómetros na Promenade des Anglais, em Nice, contra as pessoas que assistiam ao fogo-de-artifício para celebrar o dia nacional de França.

O condutor do camião foi abatido pela polícia.

Lusa

  • "Em menos de cinco minutos toda a gente apagou as luzes e baixou as persianas"
    2:56

    Atentado em Nice

    Daniela Cardoso, enfermeira portuguesa a trabalhar em Nice, não estava no local porque estava com os amigos a ver um jogo de futebol. Diz que ouviu tiros e ambulâncias e depressa soube pelo Facebook o que se estava a passar. "Em menos de cinco minutos toda a gente apagou as luzes e baixou as persianas". A portuguesa que mora em Nice há quatro anos diz que nunca sentiu perigo nesta zona de França.

  • O filme dos momentos de terror
    0:55

    Atentado em Nice

    Do nada, um camião branco dirige-se contra a multidão. As imagens serão das primeiras do ataque de Nice. Mostram a passagem do veículo. Primeiro, devagar e depois a ganhar velocidade perante os disparos da polícia. O que se segue são dois quilómetros de terror. Outro vídeo amador mostra a passagem do camião a grande velocidade. Quando finalmente parou começaram os disparos. Depois de abatido o condutor, foram descobertas armas e explosivos no interior do camião. O gabinete anti-terrorismo já tomou conta da investigação.

  • Autoridades admitem que possa haver suspeitos em fuga
    0:55

    Atentado em Nice

    O fantasma do terrorismo volta a assombrar França. Em plena celebração do dia da Batilha, em Nice, um camião foi de encontro a uma multidão e assistia oa fogo de artifício, numa das principais avenidas da cidade. As autoridades francesas já falam em atentado mas sem suspeitas sobre os responsáveis. O primeiro balanço aponta para pelo menos 80 mortos e 100 feridos. O presumível condutor já terá sido abatido mas as autoridades admitem que possa haver suspeitos em fuga.

  • O momento em que o camião avança contra a multidão
    0:28

    Atentado em Nice

    Um camião embateu, esta noite, numa multidão que assistia ao fogo-de-artifício em Nice. As vítimas estavam a festejar o Dia Nacional de França. O motorista da viatura disparou contra a multidão mas foi abatido. Será um homem de 31 anos, natural de Nice, de origem tunisina. Segundo as autoridades francesas, 80 pessoas foram mortas. O vídeo mostra o momento em que o camião avança contra a multidão.

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.