sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Sarkozy acusa Hollande de falta de determinação na luta contra terrorismo

O antigo Presidente francês e atual chefe da oposição conservadora, Nicolas Sarkozy, acusou este domingo o Governo de François Hollande de falta de determinação e de ineficácia contra o terrorismo desde os atentados de janeiro de 2015.

© Vincent Kessler / Reuters

"Fui chefe de Estado, sei que não existe o risco zero (...) mas não se fez tudo o que se deveria ter feito nos últimos 18 meses", sublinhou Sarkozy, numa entrevista à televisão TF1, ao ser questionado sobre o atentado em Nice, na passada quinta-feira.

"Estamos em guerra, numa guerra total. Os nossos inimigos não têm tabus, não têm fronteiras, não têm princípios", disse, defendendo que a luta tem de ser colocada em termos de "ou eles ou nós" e isso implica "determinação durante anos".

"Sou o líder da oposição e explico que o risco zero não existe, mas há uma obrigação de meios para garantir a segurança", considerou.

O antigo Presidente francês acusou o Governo de ter demorado a legislar que é um delito consultar páginas jihadistas - medida que só entrará em vigor em outubro. Outra crítica de Sarkozy é a de que o executivo não abriu nenhum centro para a desradicalização, quando há "milhares de jovens franceses radicalizados ou em vias de radicalização".

Sarkozy propôs que as 11.400 pessoas que estão identificadas pelos serviços secretos franceses por suspeita de ligações ao terrorismo sejam objeto de "uma análise precisa" para se fazer uma seleção.

Os estrangeiros suspeitos de terrorismo seriam expulsos "urgentemente" do país e os franceses teriam de ter uma pulseira eletrónica, para se saber sempre onde estão, ou teriam os movimentos restringidos por ordem administrativa ou seriam colocados em "centros de retenção".

O presidente dos republicanos também lançou críticas à política externa de Hollande, defendendo, em particular, a necessidade de procurar uma aliança com o Presidente russo, Vladimir Putin, para combater o Daesh, para que "na Síria haja uma coligação (internacional) e não duas".

Sarkozy defendeu ainda que os aliados na região devem intervir militarmente com forças terrestres para combater os jihadistas, mas rejeitou que França coloque os seus próprios soldados neste tipo de missões.

O antigo Presidente rejeitou também os apelos de Hollande à unidade na luta antiterrorista, insistindo que numa "democracia forte" como a francesa há que poder debater e, acima de tudo, após "sete atentados" e "cerca de 250 mortos" desde janeiro do ano passado -- no ataque à redação do Charlie Hebdo -, não tem intenção de se limitar a "comentar e comemorar".

Na quinta-feira à noite, um camião avançou durante dois quilómetros sobre uma multidão na Promenade des Anglais, em Nice, que estava a assistir ao fogo-de-artifício para celebrar o dia de França, causando pelo menos 84 mortos e 202 feridos.

Pelo menos um cidadão português ficou ferido no ataque, confirmou o Governo.

O condutor do camião foi abatido pela polícia.

As autoridades francesas consideraram estar-se perante um atentado e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado.

O Daesh reclamou este sábado a autoria do atentado.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.