sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Twitter apaga rapidamente celebrações do ataque de Nice

O Twitter removeu rapidamente posts de extremistas islâmicos que glorificavam o ataque com um camião em Nice, afirma um grupo que monitoriza os conteúdos extremistas na Internet.

Richard Drew

Com o hashtag Nice em árabe, pelo menos 50 contas de Twitter aplaudiram o ataque perpetrado por um franco-tunisino, na passada sexta-feira, em Nice. De acordo com o Projeto Contra-Extremismo - um grupo privado que monitoriza e reporta conteúdo extremista online, muitas destas contas surgiram quase imediatamente após o ataque, glorificando-o.

O Twitter - que no passado defendeu a total liberdade de expressão nas redes sociais mas que recentemente reviu a sua política - agiu rapidamente e apagou em minutos os tweets pró-ataque.

"Foi a primeira vez que o Twitter reagiu tão eficazmente", declarou o Projeto Contra-Extremismo.

O Twitter, o Facebook e outras redes sociais têm feito esforços, nos últimos dois anos, no sentido de remover qualquer propaganda que viole os seus termos de utilização - esforços que surgem na sequência de um maior escrutínio do papel das redes sociais no encorajamento do extremismo.

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15