sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Twitter apaga rapidamente celebrações do ataque de Nice

O Twitter removeu rapidamente posts de extremistas islâmicos que glorificavam o ataque com um camião em Nice, afirma um grupo que monitoriza os conteúdos extremistas na Internet.

Richard Drew

Com o hashtag Nice em árabe, pelo menos 50 contas de Twitter aplaudiram o ataque perpetrado por um franco-tunisino, na passada sexta-feira, em Nice. De acordo com o Projeto Contra-Extremismo - um grupo privado que monitoriza e reporta conteúdo extremista online, muitas destas contas surgiram quase imediatamente após o ataque, glorificando-o.

O Twitter - que no passado defendeu a total liberdade de expressão nas redes sociais mas que recentemente reviu a sua política - agiu rapidamente e apagou em minutos os tweets pró-ataque.

"Foi a primeira vez que o Twitter reagiu tão eficazmente", declarou o Projeto Contra-Extremismo.

O Twitter, o Facebook e outras redes sociais têm feito esforços, nos últimos dois anos, no sentido de remover qualquer propaganda que viole os seus termos de utilização - esforços que surgem na sequência de um maior escrutínio do papel das redes sociais no encorajamento do extremismo.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".