sicnot

Perfil

Autárquicas 2017

Ramalho Eanes para Medina: "não me lixe e faça um bom trabalho"

TIAGO PETINGA

O candidato socialista à presidência da Câmara de Lisboa vai contar com o apoio do Livre e dos movimentos independentes Cidadãos por Lisboa e Lisboa é Muita Gente, segundo o cartaz da candidatura, denominada "Lisboa precisa de todos". Ramalho Eanes foi uma das figuras presentes, esta segunda-feira, na apresentação da candidatura, e Medina chegou até a lembrar uma conversa que teve com o general, que lhe disse: "Nós na tropa tínhamos duas formas de dizer as coisas: a forma simples e à bruta. Vou dizer isto à bruta: não me lixe e faça um bom trabalho".

Fernando Medina, que é presidente da Câmara de Lisboa desde 6 de abril 2015 - data em que substituiu nestas funções o atual primeiro-ministro e líder socialista, António Costa - apresentou esta segunda-feira a sua candidatura perante militantes e simpatizantes no recentemente reabilitado Palácio Galveias, em Lisboa.

O PS tem vindo a contar, desde 2009, com o apoio dos movimentos independentes Cidadãos por Lisboa (liderado por Helena Roseta) e Lisboa é Muita Gente (encabeçado por José Sá Fernandes), mas estes acordos ainda não estavam confirmados para as próximas eleições autárquicas.

No encontro, marcaram presença, além de Helena Roseta e de José Sá Fernandes, o líder do Livre, Rui Tavares.

Intervindo na apresentação, Fernando Medina anunciou que a comissão de honra da candidatura "Lisboa precisa de todos" é presidida pelo fadista Carlos do Carmo, enquanto a fadista Mariza foi eleita como mandatária.

Falando sobre Carlos do Carmo, o autarca assinalou que, ao longo dos anos, contou com a "sua amizade e com o seu empenho sempre crítico sobre a sua cidade, a sua cidade de Lisboa".

Já referindo-se a Mariza, considerou ser "alguém que representa muito da cidade".

"Chegou aqui pequena [...] e hoje é um dos principais rostos da cultura portuguesa e uma das principais embaixadoras do fado", precisou.

No início da sua intervenção, Fernando Medina afirmou ser com "um enorme orgulho" que se lança "nesta aventura" e evocou o legado deixado por António Costa.

"Hoje, depois de dois anos e meio a ocupar a posição de presidente da Câmara, a minha admiração pelo António aumentou muito. Sei o quão extraordinário presidente ele foi e o quão extraordinário foi o legado que ele nos deixou", afirmou.

Já apontando que recebeu congratulações de personalidades que não conseguiram estar presentes, o autarca disse que a presença do general Ramalho Eanes "sintetiza o apoio dos que não estão".

E confidenciou uma conversa anterior tida com Ramalho Eanes, na qual o general lhe disse: "Nós na tropa tínhamos duas formas de dizer as coisas: a forma simples e à bruta. Vou dizer isto à bruta: não me lixe e faça um bom trabalho".

Nas próximas eleições autárquicas, marcadas para 01 de outubro, concorrem também à presidência da Câmara de Lisboa Assunção Cristas (líder do CDS-PP), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE) e Teresa Leal Coelho (PSD).

Pelo PAN e pelo partido Nós, Cidadãos! as candidatas são, respetivamente, Inês Sousa Real e Joana Amaral Dias.

Lusa

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.