sicnot

Perfil

Avião desaparecido no Mediterrâneo

Avião desaparecido no Mediterrâneo

Avião desaparecido no Mediterrâneo

Autoridades gregas negam que destroços sejam do avião da EgyptAir

O chefe da autoridade de segurança aérea da Grécia negou hoje que os destroços encontrados no Mediterrâneo sejam do avião da EgyptAir que se despenhou ao largo de uma ilha grega com 66 pessoas a bordo.

© Christian Hartmann / Reuters

© Mohamed Abd El Ghany / Reuter

"Até agora, a análise indica que os destroços não são de um avião", disse o chefe da autoridade de segurança aérea da Grécia, após a companhia aérea egípcia ter confirmado a descoberta dos destroços do avião da Egyptair, que hoje de madrugada caiu a cerca de 200 milhas a sul da ilha de Creta, uma área sob responsabilidade do Egito.

O mesmo responsável adiantou que falou com o seu homólogo egípcio às 17:45 horas locais (18:45 em Lisboa) e que lhe afirmou não estar ainda provado que os destroços encontrados pertencem ao "voo MS804".

O aparelho, um airbus 320, descolou de Paris rumo ao Cairo na noite de quarta-feira, e desapareceu ao início da madrugada ao entrar no espaço aéreo egípcio.

A bordo seguiam 56 passageiros, incluindo um português, sete tripulantes e três agentes da segurança.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.