sicnot

Perfil

Avião desaparecido no Mediterrâneo

Avião desaparecido no Mediterrâneo

Avião desaparecido no Mediterrâneo

Ministro egípcio considera terrorismo como hipótese "mais provável" para queda de avião

O ministro egípcio da aviação civil admitiu hoje que um "ataque terrorista" pode ser a explicação "mais provável" para a queda do avião da EgyptAir que efetuava de madrugada a ligação Paris-Cairo com 66 pessoas a bordo.

ETIENNE LAURENT

"A situação pode, e digo bem, pode porque não quero especular... deixar entender que a probabilidade, a possibilidade, de uma ação a bordo, de um ataque terrorista, é mais elevada que a de uma falha técnica", sublinhou o ministro Cherif Fathy no decurso de uma conferência de imprensa.

"Mas não pretende retirar conclusões precipitadas", precisou, citado pela agência noticiosa France-Presse.

Previamente, as Forças Armadas gregas anunciaram ter encontrado destroços no mar ao largo da ilha de Creta quando procuravam o avião, que se despenhou esta madrugada no Mediterrâneo.

"Foram encontrados a sudeste de Creta, dentro da zona de informação aérea do Cairo", afirmou um porta-voz do Estado-Maior, Vassilis Beletsiotis à agência France Presse.

O aparelho, um airbus 320, descolou de Paris rumo ao Cairo na noite de quarta-feira, e desapareceu ao início da madrugada ao entrar no espaço aéreo egípcio.

A bordo seguiam 56 passageiros, incluindo um português, sete tripulantes e três agentes da segurança.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.