sicnot

Perfil

Avião desaparecido no Mediterrâneo

Português a bordo de avião desaparecido era responsável da Mota-Engil para África

Português a bordo de avião desaparecido era responsável da Mota-Engil para África

O português de 62 anos que seguia a bordo do avião da EgyptAir era um alto responsável da Mota Engil para o continente africano, com residência em Lisboa e Joanesburgo. As informações são avançadas pelo secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, que já apresentou as condolências à família.

"Confirmamos que estava um português a bordo deste avião que caiu, com 62 anos, inscrito no consulado de Joanesburgo, mas com residência em Lisboa, tinha quatro filhos e era o responsável da Mota-Engil para os mercados africanos", adiantou José Luís Carneiro.

O secretário de Estado disse que já apresentou as condolências à família em nome do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) e do Governo português.

"Já tivemos a oportunidade de apresentar as nossas condolências à família. Já falei com a mulher em nome do MNE e do primeiro-ministro. O nosso gabinete de emergência consular já está a manter contactos com os nossos serviço consulares e diplomáticos em França e no Egito por forma a podermos dar o apoio necessário às diligências que se vão seguir caso se confirme a morte de todos os passageiros como o registo e a trasladação", declarou.

O secretário de Estado disse ainda que a empresa Mota-Engil já se mostrou disponível para custear as despesas que venham a ser reconhecidas como não estando cobertas pelo seguro.

Com Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.