sicnot

Perfil

Avião desaparecido no Mediterrâneo

Avião desaparecido no Mediterrâneo

Avião desaparecido no Mediterrâneo

Recuperada do Mediterrâneo caixa negra do avião da EgyptAir

Uma das duas caixas negras do avião da EgyptAir que se despenhou no Mediterrâneo a 19 de maio foi recuperada, anunciou hoje a comissão egípcia que faz a investigação ao acidente.

© Christian Hartmann / Reuters

A caixa negra que regista as conversas no cockpit do avião "foi encontrada danificada", avança o comunicado, mas foi possível "recuperar a parte que contém a memória do aparelho", O CVR, Cockpit Voice Recorder, em inglês.

De acordo com as normas em vigor, um avião comercial possui duas "caixas negras": FDR (Flight Data Recorder), ou gravador que regista todos os dados do voo, e CVR.

O gravador FDR regista, a cada segundo, todos os parâmetros técnicos ao longo de 25 horas de voo, como a velocidade, a altitude, a trajetória, entre outros.

O CVR guarda os diálogos na cabine de comando, mas também os sons e anúncios ouvidos no local. Uma análise aprofundada permite conhecer o regime dos motores.

Estes gravadores, introduzidos na aviação a partir da década de 1960, encontram-se no interior de caixas metálicas reforçadas, concebidas para resistir a choques extremamente violentos, fogo intenso e longa imersão em águas profundas.

Ao contrário do que o nome indica, as "caixas negras" são cor de laranja com bandas brancas refletoras.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.