sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Banif confirma que já procura "investidor estratégico" para comprar posição do Estado

O Banif confirmou hoje que "está envolvido num processo formal e estruturado tendente à seleção de um investidor estratégico" que compre a posição de 60% do Estado português.

SIC

SIC

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o banco liderado por Jorge Tomé vem esclarecer também, face às notícias divulgadas na comunicação social e "que estarão na origem da elevada volatilidade que as suas ações têm registado", que até à presente data "tem em curso um processo de venda estruturada de ativos 'real estate' (imobiliário) e 'non performing loans' (empréstimos que não geram capital), integrado no seu plano de reestruturação".

O Jornal de Negócios noticia hoje que o Banif já tem em marcha a venda de 60% detida pelo Estado e que vários investidores norte-americanos e europeus já foram convidados a participar na operação, "estando a ter acesso a informação financeira detalhada e apresentações temáticas" com membros da equipa do Banif.

O jornal económico refere ainda que a operação está a ser realizada pelo banco de investimento espanhol N+1 e que a data para entrega das ofertas "já estará definida", devendo ter lugar ainda em dezembro.

No seu comunicado, o Banif acrescenta que "não tem conhecimento de qualquer decisão da Direção Geral de Concorrência da Comissão Europeia referente ao procedimento formal de investigação atualmente em curso, em que é parte o Estado Português na sequência do investimento público realizado no Banif, o qual, de acordo com os prazos legais aplicáveis, deverá ainda encontrar-se em fase de consulta pública".

O Conselho de Administração do Banif reafirma que continua a implementar as medidas "de reorganização societária e de reestruturação operacional previstas no Plano de Reestruturação apresentado às autoridades nacionais e comunitárias".

Recorde-se que o Banif recebeu em janeiro de 2013 cerca de 1.100 milhões de euros do Estado, dos quais 700 milhões através de um aumento de capital e 400 milhões em instrumentos de capital contingente, os chamados 'CoCos'.

Até ao momento, o banco reembolsou 275 milhões de euros dos 'CoCos' mas, com atraso significativo, ainda não pagou a última tranche de 125 milhões.

A Comissão Europeia produziu recentemente um documento que refere ter "as maiores dúvidas" que o banco liderado por Jorge Tomé consiga pagar ao Estado os 700 milhões de euros convertidos em ações.

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.