sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Inquérito parlamentar ao Banif só arranca depois da discussão do OE2016

Os coordenadores dos grupos parlamentares que integram a comissão parlamentar de inquérito ao Banif decidiram hoje que durante as próximas duas semanas, até à discussão na generalidade do Orçamento do Estado, não se vão realizar audições.

A decisão foi transmitida aos jornalistas por António Filipe, o deputado do PCP que preside os trabalhos da comissão, no final da reunião de coordenadores que se seguiu à tomada de posse e que foi bastante rápida.

Segundo António Filipe, ficou acordado que durante os próximos 15 dias, até à discussão na generalidade do Orçamento do Estado no parlamento, os trabalhos da comissão vão ser dedicados à definição da metodologias, ao pedido de documentos e à escolha dos responsáveis que vão ser chamados a responder perante os deputados.

Mas o início das audições pode ser adiado por mais algum tempo, já que depois da discussão na generalidade, vai haver a discussão na especialidade do Orçamento do Estado, que também vai exigir forte empenho dos grupos parlamentares.

O responsável admitiu ainda que "é difícil compatibilizar as audições da comissão com a discussão do Orçamento do Estado na especialidade", pelo que não ficou nenhuma data marcada para o arranque das audições.

Já a próxima reunião de coordenadores ficou agendada para a próxima quinta-feira, após o plenário, revelou.

Lusa

  • Quem é quem na comissão de inquérito ao Banif
    2:35

    Banif

    A Comissão de Inquérito ao Caso Banif toma hoje posse, às 14h30, mas o Orçamento do Estado pode atirar o início das audições para Março. Os partidos acrescentaram peso político aos nomes escolhidos na nova investigação parlamentar, que vai ser presidida pelo deputado comunista António Filipe.

  • Comissária nega que Bruxelas tenha imposto a venda do Banif ao Santander
    4:04

    Banif

    A comissária responsável pela Concorrência nega que Bruxelas tenha imposto a venda do Banif ao Santander. Numa entrevista exclusiva à SIC, Margrethe Vestager admite que a escolha era limitada e que o comprador tinha de ser suficientemente forte para absorver o Banif, mas diz que a decisão final é da responsabilidade das autoridades portuguesas. A Comissária dinamarquesa reconhece ainda que todo o tempo dado ao anterior governo não resolveu o problema do banco e recorda que a supervisão da banca não era trabalho da Comissão, mas do Banco de Portugal.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.

  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.