sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Gestor da Apollo assegura preservação dos postos de trabalho

O gestor Gustavo Guimarães, do grupo Apollo, que está em negociações para comprar a Açoreana, disse hoje ao SINAPSA que, "num momento inicial, os postos de trabalho são para serem preservados", admitindo saídas posteriores de parte dos 700 empregados.

© Rafael Marchante / Reuters (Arquivo)

A dirigente sindical Ana Rita Páscoa, do Sinapsa - Sindicato Nacional dos Profissionais de Seguros e Afins, reuniu-se hoje com Gustavo Guimarães, da seguradora Tranquilidade e do grupo norte-americano Apollo, para saber das condições em que está a ser negociada a compra da Apollo, que era do Banif, e do impacto nos trabalhadores.

Segundo disse à Lusa a responsável, o gestor assegurou que, "num momento inicial, os postos de trabalho é para serem preservados", mas admitiu que depois poderá haver saídas, quer tendo em conta a idade média de pessoas, quer por rescisões de mútuo acordo que venham a acontecer.

Questionado sobre o facto de a proposta da Apollo para comprar a Açoreana não ter uma cláusula que salvaguarda os postos de trabalho, Ana Rita Páscoa afirmou que o gestor considerou não "haver necessidade uma vez que a Apollo está a comprar o negócio e atrás dele vem tudo", caso dos trabalhadores.

Gustavo Guimarães acrescentou ainda na reunião, segundo a dirigente sindical, que a empresa precisa de ser capitalizada mas que os auditores ainda estão a apurar o valor em falta e que "já não são dezenas, são centenas de milhões de euros" que são precisos na companhia para assegurar a continuidade do negócio.

A semana passada a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) anunciou que foram estabelecidos os termos de um pré-acordo de venda e capitalização da Açoreana Seguros, que era do Banif, à norte-americana Apollo Global Management, deixando de fora para já as outras duas concorrentes, Caravela e a Allianz.

O objetivo final da Apollo será integrar a Açoreana na Tranquilidade, empresa que era do grupo BES e que comprou em início de 2015.

Neste processo os trabalhadores têm-se mostrado muito preocupados quanto aos 700 postos de trabalho, uma vez que o acordo não tem uma cláusula a garantir a sua salvaguarda e a Tranquilidade já tem 600 empregados.

A Açoreana pertencia ao grupo Banif e, com a resolução do banco em dezembro do ano passado, o Estado ficou com a parte da seguradora que era do banco, 47,7%, que está agora integrada na sociedade pública Oitante. O restante capital, 52,3%, é da Soil SGPS, sociedade dos herdeiros de Horácio Roque, que foi o fundador do Banif em 1988.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43