sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Santander quis comprar parte do Banif no ano passado

O antigo administrador do Estado no Banif, António Varela, revelou hoje no parlamento que foi contactado pelo Banco Santander em julho passado, com o banco de capital espanhol a mostrar interesse na compra da "parte boa" da instituição.

© Rafael Marchante / Reuters (Arquivo)

"O Santander teve um contacto comigo em julho de 2015, demonstrando um eventual interesse no Banif. Eu disse que o acionista é que era o dono da posição [do Estado]. E disse para irem falar com o acionista", afirmou o responsável.

"Dei nota ao ' management' [gestão] do Banif das entidades que tinham demonstrado interesse", sublinhou António Varela, que disse desconhecer se o Santander efetivou contactos a este propósito junto do Governo português.

"Em palavras simples, o Santander disse claramente: 'quero comprar a parte boa do Banif'".

Questionado sobre se também tinha sido contactado pelo Banco Popular, António Varela admitiu que sim.

"Não tive reunião nenhuma com o Banco Popular. Tive um telefonema com o 'ceo' [presidente-executivo] do Popular uns meses antes do que aconteceu [ao Banif] e ia na linha do Santander. Também dei conta disso à gestão do Banif", sublinhou.

No âmbito da resolução do Banif, no final de dezembro de 2015, parte da atividade comercial do banco foi vendida ao Santander Totta por 150 milhões de euros.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.