sicnot

Perfil

Banif

Ex-ministra diz que Ample não concorreu à compra do Banif

Ex-ministra diz que Ample não concorreu à compra do Banif

Maria Luís Albuquerque rejeita que a proposta de compra do Banif pelo fundo de Hong Kong fosse mais que uma manifestação de interesse. À entrada para a Comissão de Economia, onde está a ser ouvida no Parlamento, a antiga ministra das Finanças explicou porque é que o Governo não considerou a proposta da Ample.

O jornal Público noticiou hoje que, em maio de 2015, o governo de Passos Coelho não deu sequência a uma oferta da Ample Harvest Investment Capital, que estava disposta a pagar 700 milhões de euros pelas ações do Estado no Banif, escrevendo o jornal que esta proposta era mais do que uma "mera manifestação de interesse", uma vez que tinha um valor de referência e admitia manter todos os empregos e balcões.

Questionada sobre esta matéria, hoje na Assembleia da República, a ministra das Finanças do governo anterior, Maria Luís Albuquerque, afirmou que se tratava de "uma manifestação de interesse como outras" que foram recebidas e que "esse investidor em particular nem sequer veio ao concurso".

"Suponho que todos os documentos constem da comissão e, portanto, há de estar lá essa intenção como as outras. Era uma manifestação de interesse como outras que recebemos", afirmou a agora deputada do PSD, acrescentando que o seu governo entendeu que "não havia condições na altura para abrir um concurso".

"Estávamos a preparar o processo de reestruturação para abrir um concurso de venda que efetivamente aconteceu antes do final do ano e o investidor em causa, que é hoje referido nas notícias, nem sequer veio a esse concurso", reiterou a ex-ministra.

Quando questionada sobre as razões que levaram o anterior executivo a não considerar esta proposta da Ample, Maria Luís Albuquerque afirmou que "quando o Estado tem uma participação para vender, tem de o fazer em determinadas condições".

Por exemplo - especificou - "não o pode vender a ofertas particulares, teria de abrir um processo competitivo, teria de selecionar os compradores que viriam a comprar a participação do Estado".

Maria Luís Albuquerque disse que, na altura, o governo de que fazia parte estava "muito empenhado em concluir o processo com a Direção-Geral da Concorrência [da Comissão Europeia]" e sabia que "seria impossível vender o banco sem que esse processo estivesse concluído".

A 20 de dezembro, o Governo PS e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif com a venda da atividade bancária ao Santander Totta por 150 milhões de euros e a criação da sociedade-veículo Oitante para a qual foram transferidos os ativos não adquiridos pelo Totta.

O Banif S.A., que agora é o 'banco mau' - à semelhança do 'banco mau' BES - continua a existir, tendo ficado aí as posições dos acionistas e obrigacionistas subordinados e as operações que o banco tinha no Brasil e em Cabo Verde. No futuro, esta entidade será liquidada.

No âmbito da medida de resolução foi feita uma injeção de capital de 2.255 milhões de euros (valor líquido da receita obtida do Santander). Deste montante, 489 milhões de euros vieram do Fundo de Resolução, que é uma entidade incluída nas administrações públicas, e 1.766 milhões de euros vieram diretamente do Estado.

Com Lusa

  • Carlos Costa já tinha sugerido criação de banco mau na Comissão de Inquérito ao Banif
    0:49

    Economia

    A ideia de criar um banco mau, que possa receber os créditos em risco ou incobráveis dos bancos nacionais, lançada pelo primeiro-ministro este fim-de-semana já tinha sido defendida pelo Governador do Banco de Portugal. Na semana passada, na Comissão de Inquérito ao Banif, Carlos Costa defendeu a criação em Portugal de um veículo para os ativos tóxicos da banca à luz dos modelos implementados em Espanha e na Irlanda.

  • Centeno voltou a criticar Banco de Portugal e anterior governo
    1:56

    Banif

    O ministro das Finanças diz que o processo do Banif ficará como a lição mais cara da História. Na comissão de inquérito, voltou a acusar o Banco de Portugal e o anterior Governo de omissões e pouca assertividade. Mário Centeno confirmou ainda que o Santander esteve presente na reunião onde ficou decidida a resolução.

  • Mário Centeno contradiz Maria Luís Albuquerque

    Banif

    O ministro das Finanças disse hoje que houve vários planos de reestruturação do Banif que foram chumbados pela Comissão Europeia, e não apenas um com várias mudanças, como "eufemisticamente" havia declarado a antiga ministra Maria Luís Albuquerque.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.