sicnot

Perfil

Banif

Rui Rio diz que solução imposta por Bruxelas prejudica contribuintes

Rui Rio diz que solução imposta por Bruxelas prejudica contribuintes

Rui Rio diz que a solução imposta por Bruxelas no caso Banif é inadmissível. Durante uma palestra na Universidade do Minho, o ex-autarca do Porto diz que a decisão de ter apenas um concorrente, como no caso do banco Santander, prejudicou o país e os contribuintes.

Para o ex-presidente do PSD, é "absolutamente nuclear" perceber se as contas apresentadas pelo Banif correspondem à realidade e, caso sejam "fraudulentas", pedir responsabilidades a quem tinha a "responsabilidade de fiscalizar" aqueles números, o Banco de Portugal.

"Choca-me muito o que se passou com o Banif", começou por afirmar Rui Rio, que comentou depois a comissão parlamentar de inquérito ao processo de venda do banco madeirense.

"A comissão de inquérito parlamentar ao Banif não é tão isenta como foi a do Banco Espirito Santo. Já se vai notando a intenção de uma ala culpar a outra. A do BES era claramente mais isenta e isso é sempre mau", considerou.

Sobre o Banif, Rui Rio considerou importante perceber a veracidade das contas do banco apresentadas porque em "termos contabilísticos" o banco tinha um "valor de referência de 675 milhões o que não tem nada a ver com menos três mil milhões, que foi o que acabou por custar".

"É absolutamente nuclear perceber, eu não consegui perceber, se estas contas correspondem à realidade ou se não correspondem à realidade. Se não correspondem, se o Banif, empresa cotada, punha contas completamente fraudulentas, bom, então temos que pedir responsabilidades a quem certificou as contas, a quem auditou as contas, e ao Banco de Portugal que tinha no Banif um escritório instalado", disse.

Alias, o ex-autarca aponta principais responsabilidades à instituição liderada por Carlos Costa.

"Tinha o Banco de Portugal uma equipa no Banif, em pleno, sentada, que via operação a operação e acompanhava o mais ínfimo custo do próprio banco. Se os 675 milhões nada dizem e as contas estão maquilhadas e o ativo daquele banco, que tinha um valor de 12 mil milhões ou coisa assim, verdadeiramente era só 4 mil milhões porque as contas estavam empoladas, temos que pedir sérias responsabilidades a quem tem a responsabilidade por essas contas e eu ponho a administração do Banif em último lugar. Também ponho, mas ponho em quem tinha a responsabilidade de fiscalizar", considerou.

Com Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.