sicnot

Perfil

Banif

Rui Rio diz que solução imposta por Bruxelas prejudica contribuintes

Rui Rio diz que solução imposta por Bruxelas prejudica contribuintes

Rui Rio diz que a solução imposta por Bruxelas no caso Banif é inadmissível. Durante uma palestra na Universidade do Minho, o ex-autarca do Porto diz que a decisão de ter apenas um concorrente, como no caso do banco Santander, prejudicou o país e os contribuintes.

Para o ex-presidente do PSD, é "absolutamente nuclear" perceber se as contas apresentadas pelo Banif correspondem à realidade e, caso sejam "fraudulentas", pedir responsabilidades a quem tinha a "responsabilidade de fiscalizar" aqueles números, o Banco de Portugal.

"Choca-me muito o que se passou com o Banif", começou por afirmar Rui Rio, que comentou depois a comissão parlamentar de inquérito ao processo de venda do banco madeirense.

"A comissão de inquérito parlamentar ao Banif não é tão isenta como foi a do Banco Espirito Santo. Já se vai notando a intenção de uma ala culpar a outra. A do BES era claramente mais isenta e isso é sempre mau", considerou.

Sobre o Banif, Rui Rio considerou importante perceber a veracidade das contas do banco apresentadas porque em "termos contabilísticos" o banco tinha um "valor de referência de 675 milhões o que não tem nada a ver com menos três mil milhões, que foi o que acabou por custar".

"É absolutamente nuclear perceber, eu não consegui perceber, se estas contas correspondem à realidade ou se não correspondem à realidade. Se não correspondem, se o Banif, empresa cotada, punha contas completamente fraudulentas, bom, então temos que pedir responsabilidades a quem certificou as contas, a quem auditou as contas, e ao Banco de Portugal que tinha no Banif um escritório instalado", disse.

Alias, o ex-autarca aponta principais responsabilidades à instituição liderada por Carlos Costa.

"Tinha o Banco de Portugal uma equipa no Banif, em pleno, sentada, que via operação a operação e acompanhava o mais ínfimo custo do próprio banco. Se os 675 milhões nada dizem e as contas estão maquilhadas e o ativo daquele banco, que tinha um valor de 12 mil milhões ou coisa assim, verdadeiramente era só 4 mil milhões porque as contas estavam empoladas, temos que pedir sérias responsabilidades a quem tem a responsabilidade por essas contas e eu ponho a administração do Banif em último lugar. Também ponho, mas ponho em quem tinha a responsabilidade de fiscalizar", considerou.

Com Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41