sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Antigo presidente do Banif diz que morte de Horácio Roque foi uma "fatalidade terrível" para o banco

Um antigo presidente do Banif defende que se Horácio Roque ainda fosse vivo, o banco não teria acabado como acabou. Numa audição em que a captação de imagens foi proibida a pedido do inquirido, Carlos Duarte de Almeida disse que morte do histórico fundador foi uma "fatalidade terrível".

Horácio Roque

Horácio Roque

O presidente do Banif em 2010 e 2011 admitiu que o banco cometeu alguns exageros nomedamente durante aquilo a que chamou a "euforia" do setor imobiliário.

Quanto aos problemas do banco, diz que um dos maiores foi, depois de vários anos a crescer, não saber parar e consolidar enquanto era tempo.

Durante os anos em que liderou o banco, o antecessor de Jorge Tomé considerou ainda "ridículas" as propostas que recebeu para a venda do Banif.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.