sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Oitante vende Banif Malta ao grupo Al Faisal do Qatar

A Oitante fechou esta terça-feira a venda da sua posição de 78,5% do capital do Banif Malta à Al Faisal International for Investment Malta por um valor não revelado, anunciou o veículo de gestão de ativos do ex-Banif.

"O desfecho desta operação de venda ocorre após terem sido verificadas todas as condições estabelecidas na documentação contratual da operação assinada em dezembro de 2015 e posteriormente aditada em junho de 2016, incluindo a obtenção de autorização pela Direção Geral da Concorrência da Comissão Europeia e pelo Banco Central Europeu", lê-se na nota de imprensa.

Segundo a Oitante, a conclusão deste processo de venda assegura ainda que o veículo estatal - criado para absorver ativos e responsabilidades no âmbito da resolução do Banif, em dezembro de 2015 - seja reembolsado de um empréstimo subordinado no montante de cinco milhões de euros.

"Esta operação visa permitir a capitalização do Banif Malta com vista a fortalecer os requisitos prudenciais aplicáveis, bem como a criação de condições para a sustentabilidade desta entidade e, consequentemente, a preservação de postos de trabalho", destacou a Oitante.

Questionada pela Lusa, a Oitante não quis divulgar o montante em causa nesta operação.

Certo é que, em 18 de dezembro do ano passado, o Banif - que na altura era liderado por Jorge Tomé - comunicou à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que tinha chegado a acordo com uma entidade (que não identificava) para alienar o Banif Bank (Malta) pelo seu valor contabilístico, que era de 18,4 milhões de euros.

Isto, dois dias antes da intervenção pública no Banif, que incluiu a venda ao Banco Santander Totta do negócio bancário e a criação de um veículo de gestão de ativos, que ficou na esfera estatal.

Foi já em junho deste ano, durante uma das audições da comissão parlamentar de inquérito ao Banif ao ex-presidente, que Jorge Tomé revelou o nome do comprador do Banif Malta, precisamente o Grupo Al Faisal, do Qatar.

Em 20 de dezembro de 2015, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif -- Banco Internacional do Funchal, com a venda de parte da atividade bancária ao Santander Totta, por 150 milhões de euros, e a transferência de outros ativos - incluindo 'tóxicos' - para uma nova sociedade veículo.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.