sicnot

Perfil

Boko Haram

Boko Haram

Boko Haram

Boko Haram reivindica atentado que fez 22 mortos em procissão na Nigéria

O grupo radical islâmico Boko Haram reivindicou hoje a autoria do ataque suicida de sexta-feira, durante uma procissão xiita na aldeia de Dakasoye, a nordeste da Nigéria, que provocou 22 mortos.

Muhammed Giginyu

Um homem-bomba "detonou os explosivos que causaram as mortes" dos fiéis reunidos numa vila perto de Kano, anunciou o grupo num comunicado publicado em árabe nas redes sociais.

"E com a permissão de Alá os nossos ataques contra xiitas politeístas vão continuar até que se tenha limpado a terra da sua imundície", alertou ainda o grupo radical islâmico na nota, citada hoje pela agência de notícias France Press.

O Boko Haram prometeu lealdade ao grupo extremista Estado Islâmico (EI, também conhecido pelo acrónimo árabe Daesh), que considera os xiitas como hereges.

O ataque suicida de aconteceu cerca das 14:00 locais (13:00 em Lisboa) na localidade de Dakasoye, 20 quilómetros a sul de Kano, segundo o Movimento Islâmico na Nigéria, que organizou a procissão integrada nas celebrações do luto xiita de Ashura, pelo aniversário da morte do imã Hussein, neto do profeta Maomé.

Um dos organizadores que não quis ser identificado disse à agência France Presse que o suicida tinha um cúmplice que foi detido antes e que confessou que "tinham sido enviados pelo (grupo radical islâmico) Boko Haram".

O grupo radical sunita Boko Haram, que pretende criar um estado islâmico no nordeste da Nigéria, já foi antes responsabilizado por ataques contra muçulmanos xiitas na região.

Em novembro de 2014, pelo menos 15 pessoas morreram e 50 outras ficaram feridas quando um bombista suicida se fez explodir no meio de uma multidão concentrada para uma procissão inserida nas festividades de Ashura na cidade de Potiskum, no estado de Yobe. O atentado foi atribuído ao Boko Haram.

Iniciada em 2009, a revolta do Boko Haram e a sua repressão causaram pelo menos 17.000 mortos e 2,5 milhões de deslocados na Nigéria.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.