sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Líder trabalhista pede mobilização do partido contra o Brexit

O líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, pediu aos militantes que se mobilizem contra a saída do Reino Unido da União Europeia -Brexit - nos nove dias de campanha que faltam para o referendo de dia 23.

© Dylan Martinez / Reuters

Corbyn, que tem sido acusado de falta de convicção na defesa da permanência do país na UE, elevou o tom das críticas aos que defendem o 'Brexit', depois de as sondagens mais recentes preverem uma vitória do "Sair".

Numa reunião em Londres com membros do seu "governo sombra" e líderes sindicais, Corbyn lançou um apelo a "todo o movimento trabalhista" para que mostre o seu apoio à permanência do país na UE.

"A posição do Partido Trabalhista e dos sindicatos é a de votar por ficarmos. Instamos os nossos militantes a refletirem cuidadosamente sobre a questão e a votarem pela permanência", disse o líder da oposição britânica.

"O voto pela saída é um voto que põe em risco o NHS (sistema nacional de saúde), que ficaria nas mãos daqueles que o querem destruir", afirmou, acusando a campanha pelo 'Brexit' de propagar "mentiras absolutas" ao afirmar que uma saída da UE aumentaria as verbas disponíveis para o NHS.

O líder trabalhista criticou por outro lado o ex-presidente da câmara de Londres, Boris Johnson, e o líder do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP), Nigel Farage, que lideram a campanha a favor do 'Brexit', acusando-os de serem "lobos com pele de cordeiro" que escondem "a sua verdadeira agenda".

Corbyn, que num referendo semelhante realizado em 1975 votou pela saída do Reino Unido da então Comunidade Económica Europeia (CEE), tem defendido desta vez o voto pela permanência.

Até ao final de maio, as sondagens apontavam para uma vitória dos partidários da permanência, mas nas últimas semanas o campo do "sair" está em vantagem.

Uma dupla sondagem - por telefone e por internet - divulgada no domingo pelo diário The Guardian prognostica uma vitória do 'Brexit' com uma vantagem de seis pontos percentuais - 53% contra 47% -, assim como um estudo publicado pelo The Times, que prevê 46% de votos pela saída e 39% pela permanência.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa para receber dois beijos. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.