sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Bill Gates avisa que Reino Unido ficará "menos atraente" para empresas

O milionário norte-americano Bill Gates advertiu que o Reino Unido será um lugar "significativamente menos atraente para fazer negócios e investir" se sair da União Europeia (UE), numa carta publicada hoje no jornal The Times.

Bill Gates, fundador da Microsoft.

Bill Gates, fundador da Microsoft.

© Charles Platiau / Reuters

Gates, fundador da Microsoft e filantropo que, no passado, investiu mais de mil milhões de dólares em diferentes projetos no Reino Unido, sublinhou a importância para qualquer empresa de estar num país com acesso ao mercado único europeu e influência na tomada de decisões em Bruxelas.

"Os investimentos no Reino Unido fazem sentido pelos ativos que tem, como as excelentes universidades com um grande legado em ciência e inovação, empresas líderes da área da saúde como a GlaxoSmithKline e acesso ao mercado único", escreveu.

"Embora seja uma questão que cabe ao povo britânico decidir, é claro para mim que se o Reino Unido decide ficar fora da Europa, será um lugar significativamente menos atraente para fazer negócios e investir", acrescentou.

Gates refere concretamente que um 'Brexit' tornaria mais difícil recrutar os melhores talentos do continente e "mais difícil angariar o financiamento necessário para bens públicos como novos medicamentos e soluções acessíveis de energias limpas", para o que são necessários "o nível de cooperação, partilha de conhecimento e apoio financeiro que a força combinada da UE permite".

Gates sublinhou também no texto a capacidade negocial do Reino Unido na UE e a sua influência em "debates decisivos".

"A Europa é mais forte com o Reino Unido dentro e o Reino Unido é mais forte, mais próspero e mais influente como membro da União Europeia", concluiu.

A intervenção de Gates com vista ao referendo de quinta-feira sobre a permanência do Reino Unido na UE coincidiu com a publicação pela consultora Charterhouse Research de uma sondagem segundo a qual 62% das grandes empresas (com uma faturação anual superior a 25 milhões de libras, ou 32 milhões de euros) acreditam que o 'Brexit' prejudicaria a economia.

Uma saída da UE preocupa menos os empreendedores e as pequenas empresas, segundo o mesmo estudo, que concluiu que apenas 34% das empresas com uma faturação anual inferior a 100 mil libras anuais (127 mil euros) considera que o 'Brexit' seria contraproducente.

Lusa

  • Chamas no concelho de Torre de Moncorvo ameaçaram aldeia
    1:30

    País

    Dois incêndios no concelho de Torre de Moncorvo deram luta aos bombeiros na tarde de ontem e também durante toda a noite. As chamas estiveram muito próximas da aldeia de Cabanas de Cima, mas os bombeiros conseguiram desviar o fogo.

  • Se

    Se Jaime Marta Soares tiver razão, se a ciência e as autoridades não forem - outra vez? - manipuladas pelo poder político, se a investigação - independente - concluir que o fogo começou muito antes da trovoada, então, estamos diante de um dos maiores embustes do Portugal democrático.

    Pedro Cruz

  • Governo cria fundo de apoio para as pessoas afetadas pelos incêndios
    1:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O ministro do Planeamento e Infraestruturas reuniu-se esta quarta-feira com os autarcas de Figueró dos Vinhos, Castanheira de Pera e Pedrógão  Grande. O Governo criou um fundo financeiro, com o contributo dos portugueses, para apoiar a reconstrução das habitações e a vida das pessoas afetadas pelos incêndios que lavram desde sábado. O fundo será aprovado quinta-feira em Conselho de Ministros.

  • A reconstrução da Nacional 236
    1:44
  • Harry admite que ninguém na família real britânica quer ser rei ou rainha

    Mundo

    O príncipe Harry admitiu que nenhum dos mais jovens membros da família real britânica quer ser rei ou rainha. Numa entrevista exclusiva à revista norte-americana Newsweek, na qual aborda temas como a morte da mãe, que perdeu com apenas 12 anos, Harry afirma que ele e o irmão estão empenhados em "modernizar a monarquia".

    SIC