sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Libra recupera após assassinato da deputada trabalhista Jo Cox

A libra seguia hoje a subir depois da queda de quinta-feira, na sequência do assassinato da deputada trabalhista Jo Cox que levou à suspensão da campanha para o referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia.

© Toby Melville / Reuters

A deputada, de 41 anos, não resistiu aos ferimentos após ter sido atingida a tiro e apunhalada em plena rua na cidade de Birstall, norte de Inglaterra, na quinta-feira, por um homem de 52 anos que foi detido, alegadamente com ligações a um grupo de extrema-direita.

O medo sobre as consequências de uma eventual saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) tem-se intensificado nos últimos dias, com avisos de uma queda no mercado global e recessão no britânico, levando a libra a desvalorizar.

A libra subiu hoje para 1,4242 dólares em Tóquio, dos 1,4211 dólares do fecho de quinta-feira, depois de ter tocado em mínimos de dois meses (1,40 dólares), de acordo com a agência financeira Bloomberg.

A morte de Cox motivou a suspensão de todos os atos de campanha que estavam previstos para quinta-feira e hoje.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro conservador David Cameron anulou a sua participação num comício em Gibraltar para defender a opção da permanência e evitar o processo conhecido por Brexit.


Lusa

  • Bloomberg estima queda histórica da libra se o Reino Unido sair da UE

    Brexit

    A libra pode atingir um mínimo histórico de 30 anos face ao dólar se o Reino Unido sair da União Europeia. Esta é a estimativa avançada por cerca de três dezenas de analistas consultados pela Bloomberg. Pelo contrário, caso tudo permaneça como está a moeda britânica pode subir 6% e atingir máximos do ano. A dez dias da votação, os receios em torno da vitória do sim assustam os investidores. As bolsas asiáticas registaram a maior queda em dois meses e as praças europeias caem pela quarta sessão.

  • David Cameron volta a defender que o Reino Unido só perde com a saída da UE
    1:27

    Mundo

    O primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou que 3 milhões de empregos dependem dos acordos de comércio com os Estados-membros da União Europeia. Ontem, depois do "mayor" londrino, Boris Johnson, ter anunciado que vai fazer campanha a favor do Brexit, a libra caiu para o valor mais baixo dos últimos sete anos, face ao dólar.Administradores de quase 200 empresas defendem que o Brexit representa uma ameaça para a economia.

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida