sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

Assassino de Jo Cox diz "morte aos traidores, liberdade para o Reino Unido"

O suspeito de ter assassinado a deputada britânica foi ouvido hoje num tribunal em Londres. Quando lhe perguntaram o nome, o homem respondeu "o meu nome é morte aos traidores e liberdade para o Reino Unido".

Na primeira sessão de interrogatório, Thomas Mair, 52 anos, recusou confirmar a sua identidade e foi acusado de homicídio voluntário da deputada trabalhista britânica, de 41 anos, morta a tiro quando fazia campanha na sua circunscrição de Bisrtall, norte de Inglaterra, a favor da manutenção do Reino Unido na UE, cujo referendo se realizará na próxima quinta-feira.

A reação do suspeito ocorreu depois de ter sido acusado da deputada trabalhista britânica.

As afirmações do suspeito durante o interrogatório no Tribunal de Westminster, onde são normalmente julgados os crimes ligados ao terrorismo, vieram dar conforto às diferentes testemunhas que, desde a morte de Jo Cox, têm ajudado nas investigações.

Particularidade da lei britânica, a acusação formal de um suspeito significa, na prática, que a imprensa deixa de ter autorização para publicar informações sobre as investigações, nomeadamente sobre as possíveis motivações do suspeito.

Segundo a agência France Presse, 48 horas após o assassínio de Jo Cox, que deixa viúvo e duas filhas menores, a emoção continua presente no Reino Unido.

Hoje, os partidários do "sim" e do "não" no referendo sobre uma eventual saída de Inglaterra da UE, conhecido por "Brexit", mantiveram suspensas as respetivas campanhas.

Boris Johnson, líder dos pró-Brexit, não efetuará qualquer comício em Birmingham, como estava previsto no calendário, enquanto o movimento "Britain Stronger In" (Reino Unido Mais Forte Dentro (da UE)) anulou dezenas de iniciativas em todo o país.

Várias figuras políticas, como Jeremy Corbyn, George Osborne ou Nigel Farage, deverão aparecer apenas no domingo na televisão em emissões de cariz político, enquanto David Cameron, primeiro-ministro britânico, será entrevistado à noite na BBC.

Com Lusa

  • Assassino de deputada tem simpatia por grupos neonazis
    1:32

    Brexit

    O homem que matou a deputada britânica foi detido minutos depois do crime. Thomas Mair tem 52 anos e um passado de doenças mentais. É apoiante de um grupo neonazi sediado nos Estados Unidos da América e gastou 550 euros em obras da Aliança Nacional, que defende um país de brancos e sem judeus.

  • A literatura extremista do assassino de Jo Cox

    Mundo

    As autoridades britânicas encontraram objetos nazis e literatura de extrema-direita - que incluem instruções para fazer uma pistola do zero - em casa de Thomas Mair, o suspeito de ter assassinado Jo Cox, a deputada britânica.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.