sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

Hoje é o Dia B no Reino Unido

Os britânicos decidem hoje se o Reino Unido continua como membro da União Europeia ou sai, num referendo que se espera participado e disputado e que ameaça turbulência económica e política em caso de Brexit. As urnas para o referendo abriram às 7:00 e encerram às 22:00.

© Dado Ruvic / Reuters

Os eleitores são chamados às urnas para responder à questão "O Reino Unido deve permanecer como membro da União Europeia ou sair da União Europeia?", assinalando uma de duas opções - "Permanecer na União Europeia" ou "Sair da União Europeia".

A Comissão Eleitoral prevê uma participação eleitoral próxima dos 80%.

As sondagens, que até ao final de maio davam vantagem ao "Permanecer" ("Remain") para nas duas primeiras semanas de junho apontarem para uma vitória do "Sair" ("Leave"), davam na véspera do referendo um empate técnico, com ligeira vantagem para o "Permanecer": 45% pela permanência, 44% pela saída e 11% de indecisos.

A campanha foi protagonizada, do lado do "Remain", pelo primeiro-ministro, David Cameron, e, do lado do "Leave", pelo ex-presidente da câmara de Londres e potencial sucessor de Cameron no partido conservador, Boris Johnson, e pelo líder do eurocético Partido da Independência do Reino Unido (UKIP), Nigel Farage.

O assassínio da deputada trabalhista Jo Cox em campanha pela permanência na UE, uma semana antes da consulta, dominou a campanha, com ambos os lados a suspenderem todas as ações por três dias e a reduzirem o tom crispado que marcou as semanas anteriores.

Os resultados devem começar a ser divulgados no final da madrugada ou princípio da manhã de sexta-feira.

Com Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01