sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Líder trabalhista Jeremy Corbyn já votou no referendo

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, votou hoje no referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia numa secção de voto no bairro do norte de Londres onde reside.

© Stefan Wermuth / Reuters

Corbyn, partidário do Permanecer (Remain), mostrou-se bem-disposto perante os jornalistas que o aguardavam junto da escola primária de Pakeman, na circunscrição londrina de Islington.

"Estou extremamente confiante", disse.

Nos dias anteriores ao referendo, Jeremy Corbyn reforçou a mensagem de apoio à permanência na UE, embora ao longo dos últimos meses tenha sido criticado por se envolver pouco na campanha.

Entre os argumentos que utilizou no último debate televisivo, na terça-feira, o líder trabalhista afirmou que uma eventual vitória do Brexit (a saída do país da UE) conduziria a graves problemas económicos e atentaria contra os direitos laborais e sociais dos britânicos.

O apoio do Partido Trabalhista à permanência do Reino Unido na UE é visto por analistas como decisivo para uma vitória do Remain, dada a profunda divisão no Partido Conservador do primeiro-ministro David Cameron entre a ala mais eurocética e os partidários da permanência.


Lusa

  • Britânicos conscientes do momento histórico
    1:59

    Brexit

    Este é o segundo referendo à permanência do Reino Unido na comunidade europeia mas, desta vez, o resultado é mais incerto. A enviada da SIC a Londres, Cândida Pinto, diz que os britânicos estão conscientes da importância do momento.

  • Hoje é o Dia B no Reino Unido

    Brexit

    Os britânicos decidem hoje se o Reino Unido continua como membro da União Europeia ou sai, num referendo que se espera participado e disputado e que ameaça turbulência económica e política em caso de Brexit. As urnas para o referendo abriram às 7:00 e encerram às 22:00.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.