sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

BCE acompanha de perto mercados financeiros e está pronto para fornecer liquidez

O Banco Central Europeu (BCE) afirmou hoje que está a acompanhar de perto os mercados financeiros e que está pronto para fornecer liquidez adicional se necessário em euros e em divisas estrangeiras na sequência do Brexit.

(REUTERS/ ARQUIVO)

Num comunicado, o BCE sublinha que está a seguir de perto os mercados financeiros e que se mantém em contacto com outros bancos centrais.

Tendo em conta a realização do referendo no Reino Unido na quinta-feira, o BCE preparou-se para estas contingências em contacto direto com outros bancos que supervisiona e considera que o sistema bancário da zona euro é resiliente em termos de capital e liquidez.

O BCE referiu ainda que continuará a assumir as suas responsabilidades para assegurar a estabilidade dos preços e a estabilidade financeira da zona euro.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido vai sair a União Europeia, depois de o Brexit ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira, cuja taxa de participação foi de 72,2%.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou já a intenção de se demitir em outubro, na sequência deste resultado,

As principais bolsas europeias seguem hoje em forte queda, com as perdas a oscilarem, cerca das 10:00, entre os 5% e quase 11%. Londres, que abriu esta manhã a perder 8,0%, atenuava as perdas e seguia a deslizar 5,20% para 6.006,53 pontos.


Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.