sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

Governo sueco diz que resultado deve servir para despertar a UE

O primeiro-ministro sueco, o social-democrata Stefan Löfven, declarou hoje que o triunfo do Brexit no referendo britânico deve servir de "despertador" para os dirigentes europeus.

© Lehtikuva Lehtikuva / Reuters

"O resultado eleitoral é de muitas formas um despertador para a Europa", afirmou, de acordo com a agência Efe, o chefe do Governo sueco numa conferência de imprensa em Estocolmo, defendendo que a União Europeia deve evoluir e melhorar.

Stefan Löfven, que lídera um Governo em minoria com os ecologistas, admitiu que não esperava este resultado do referendo, qualificando-o de "grave", sobretudo para o Reino Unido.

"É importante que a UE permaneça unida contra os desafios. Agora, o que faz falta é união, não divisão", afirmou.

A vitória do Brexit deu, em contrapartida, ânimo a outras forças políticas na Suécia - que em 2003 rejeitou em referendo a adesão à moeda única - para exigirem a renegociação das relações do país escandinavo com a UE.

Os Democratas da Suécia (SD, extrema-direita), terceira força parlamentar, pediu ao Governo que tome a iniciativa de iniciar discussões com Bruxelas e que convoque desde já uma consulta sobre o resultado.

O líder do partido, Jimmie Åkesson, argumentou que o triunfo do Brexit reforça a legitimidade para a realização de um referendo sobre a saída da Suécia da União Europeia, uma ideia defendida pelo SD.

O partido da Esquerda Socialista, uma das formações políticas com menos assentos no parlamento sueco, defendeu também que Estocolmo deve renegociar com Bruxelas no sentido de diminuir o poder da UE nos destinos políticos da Suécia.


Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".