sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Wall Street abre no vermelho

Nova Iorque seguia hoje no vermelho pouco depois da abertura, com os principais índices de Wall Street a caírem mais de 2%, em resultado do referendo que decidiu a saída do Reino Unido da União Europeia.

© Brendan McDermid / Reuters

Pelas 14:50 (hora de Lisboa), o índice Nasdaq liderava as quedas, perdendo 2,70% para os 4.777,82 pontos, seguido do alargado S&P, que caiu 2,65% para 2.057,28 pontos e do Down Jones, que se desvalorizou 2,31% para 17.585,66 pontos.

As bolsas de Nova Iorque reagiam assim ao 'Brexit' decidido no referendo de quinta-feira, cujos resultados oficiais só foram conhecidos hoje de manhã.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido vai sair a União Europeia (UE), depois de o 'Brexit' ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira, cuja taxa de participação foi de 72,2%.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou já a sua demissão com efeitos em outubro.

As principais bolsas europeias abriram hoje em forte queda, com a bolsa de Londres a descer perto dos 8%, mantendo-se ao início da tarde com perdas entre os 4% e os 10%.

Numa primeira reação, os presidentes das instituições europeias (Comissão, Conselho, Parlamento Europeu e da presidência rotativa da UE) defenderam um 'divórcio' o mais rapidamente possível, "por muito doloroso que seja o processo".

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.