sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Coreia do Sul fala em "grande golpe" na defesa da integração económica global

O ministro das Finanças da Coreia do Sul, Yoo Il-ho, afirmou hoje que a saída do Reino Unido da União Europeia ('brexit') é um "grande golpe" para quem acredita nas vantagens da integração da economia global.

Ministro das Finanças da Coreia do Sul, Yoo Il-ho

Ministro das Finanças da Coreia do Sul, Yoo Il-ho

© Kim Hong-Ji / Reuters

"Apesar de respeitarmos a voz dos eleitores do Reino Unido, é um grande golpe para todos os acreditamos que uma economia mundial mais integrada é benéfica", disse Yoo, num discurso durante a abertura da primeira reunião anual do Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas (BAII), que hoje decorre em Pequim.

O ministro da Coreia da Sul, a terceira economia da Ásia, sublinhou que a vitória do 'brexit' no referendo britânico de quinta-feira deixou o mundo "atónito" e provocou uma reação "brusca" nos mercados internacionais, gerando mais "incerteza e volatilidade" na economia mundial.

"Acredito, no entanto, que deveríamos usar esta oportunidade para mostrar que podemos cooperar para superar desafios e conseguir uma prosperidade partilhada", afirmou.

Neste contexto, considerou que o BAII deve ser olhado como um exemplo, já que nasceu com a "aspiração partilhada de apoiar o desenvolvimento económico da Ásia", e fez votos de que "possa ajudar nesta nova situação".

O Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas BAII é a primeira instituição financeira internacional proposta pela China e conta com 57 países fundadores, entre os quais Portugal.

No início do mês, o presidente do banco, Jin Liquin, anunciou que o BAII vai alargar o número de países membros de 57 para cerca de 100.

Caso se concretize, o BAII ultrapassará o Banco Asiático de Desenvolvimento, criado pelo Japão em 1966, e que conta com 67 membros, 19 dos quais exteriores à região da Ásia-Pacífico.

Com uma participação de cerca de 13 milhões de dólares, Portugal é um dos 57 países fundadores do BAII, que no conjunto integra 14 países da União Europeia.

O Brasil é o nono maior acionista, com uma quota de 3.181 milhões de dólares e o único membro em todo continente americano.

Proposto pelo Presidente chinês, Xi Jinping, em 2013, é visto como uma reação do Governo chinês ao que considera o domínio norte-americano e europeu em instituições globais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial.

Entre as grandes economias do planeta, apenas Estados Unidos da América e Japão não fazem parte do BAII.

Com sede em Pequim, o BAII tem um capital inicial de 100.000 milhões de dólares (30,34% pertence à China) e é assumido como o principal instrumento de financiamento da iniciativa chinesa "Uma Faixa e Uma Rota", um gigante plano de infraestruturas, que pretende reativar a antiga Rota da Seda entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e Sudeste Asiático.

Lusa

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.