sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Reino Unido dividido como nunca enquanto Europa quer acelerar saída

O Reino Unido está hoje mais dividido do que nunca na sequência do choque do 'Brexit', com a Escócia pronta a defender os seus próprios interesses, os perdedores em cólera e a União Europeia, apressada em concretizar o divórcio.

Tim Ireland

Uma petição dirigida ao parlamento britânico para reclamar uma nova votação ultrapassou os dois milhões de assinaturas ao meio-dia de hoje, depois de na sexta-feira ter sido feito o anúncio da vitória do 'Brexit', com 51,9% dos votos expresso no referendo realizado na quinta-feira.

Em Edimburgo, a primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, anunciou que o seu governo procura abrir "discussões imediatas" com Bruxelas para "proteger o seu lugar na União Europeia" (UE).

A Escócia votou 62% para permanecer na UE, e Nicola Sturgeon confirmou que o seu Governo prepara as bases legais de um segundo referendo sobre a independência.

"Se isso significa ficar na UE, então eu votarei pela independência", disse à agência France Presse Chris Dougray, conselheiro financeiro, acrescentando que um cliente lhe disse que "será impossível investir na Escócia enquanto a situação não estiver clara".

As incertezas que pesam sobre o país depois do referendo fizeram com que a libra britânica caísse a pique, e levaram a agência financeira Moody´s a baixar para "negativa" a perspetiva económica para o Reino Unido, que estava anteriormente no nível "estável".

A agência ameaça fazer descer ainda mais essa notação económica.

Em Londres, alguns reclamam a independência da capital, que votou largamente pela permanência na UE, sobretudo os mais jovens, que lançam a sua cólera sobre as gerações mais velhas.

Quanto aos pró-Brexit, continuam em euforia, após terem festejado toda a noite na sequência da vitória da saída, e o líder do eurocético Partido da Independência do Reino Unido (UKIP), Nigel Farage, propôs que se decretasse o dia 23 de junho como feriado nacional.

Do lado da UE, a pressão aumenta sobre os britânicos: reunidos em Berlim, os ministros dos Negócios Estrangeiros dos seis países fundadores pediram a Londres para acelerar o divórcio.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou a demissão, que terá efeitos em outubro, depois da nomeação de um sucessor que irá negociar com a UE, ao longo de dois anos, e, entretanto, a ligação irá manter-se através dos acordos já existentes.

A questão da sucessão acrescenta incerteza, já que Boris Johnson, líder da campanha pró-'Brexit', parece uma escolha lógica.

Os jornais britânicos refletem a divisão: "Tiramos o chapéu à Grã-Bretanha!!", titulou o Daily Mail, tabloide que fez uma campanha virulenta contra a Europa, e, a favor da permanência, o Daily Mirror perguntava em primeira página "Que Diabo vai acontecer agora?".

Lusa

  • Parlamento britânico discute petição para novo referendo
    2:29

    Brexit

    O parlamento britânico debate uma petição para um novo referendo já na próxima terça-feira. Neste momento já há muitos arrependidos com o voto pela saída por causa das consequências imediatas da vitória do Brexit, e das que ainda se desconhecem. Somam-se a estes, os descontentes que querem um novo referendo em que haja um mínimo de 75% de afluência às urnas.

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.