sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

Reino Unido dividido como nunca enquanto Europa quer acelerar saída

O Reino Unido está hoje mais dividido do que nunca na sequência do choque do 'Brexit', com a Escócia pronta a defender os seus próprios interesses, os perdedores em cólera e a União Europeia, apressada em concretizar o divórcio.

Tim Ireland

Uma petição dirigida ao parlamento britânico para reclamar uma nova votação ultrapassou os dois milhões de assinaturas ao meio-dia de hoje, depois de na sexta-feira ter sido feito o anúncio da vitória do 'Brexit', com 51,9% dos votos expresso no referendo realizado na quinta-feira.

Em Edimburgo, a primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, anunciou que o seu governo procura abrir "discussões imediatas" com Bruxelas para "proteger o seu lugar na União Europeia" (UE).

A Escócia votou 62% para permanecer na UE, e Nicola Sturgeon confirmou que o seu Governo prepara as bases legais de um segundo referendo sobre a independência.

"Se isso significa ficar na UE, então eu votarei pela independência", disse à agência France Presse Chris Dougray, conselheiro financeiro, acrescentando que um cliente lhe disse que "será impossível investir na Escócia enquanto a situação não estiver clara".

As incertezas que pesam sobre o país depois do referendo fizeram com que a libra britânica caísse a pique, e levaram a agência financeira Moody´s a baixar para "negativa" a perspetiva económica para o Reino Unido, que estava anteriormente no nível "estável".

A agência ameaça fazer descer ainda mais essa notação económica.

Em Londres, alguns reclamam a independência da capital, que votou largamente pela permanência na UE, sobretudo os mais jovens, que lançam a sua cólera sobre as gerações mais velhas.

Quanto aos pró-Brexit, continuam em euforia, após terem festejado toda a noite na sequência da vitória da saída, e o líder do eurocético Partido da Independência do Reino Unido (UKIP), Nigel Farage, propôs que se decretasse o dia 23 de junho como feriado nacional.

Do lado da UE, a pressão aumenta sobre os britânicos: reunidos em Berlim, os ministros dos Negócios Estrangeiros dos seis países fundadores pediram a Londres para acelerar o divórcio.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou a demissão, que terá efeitos em outubro, depois da nomeação de um sucessor que irá negociar com a UE, ao longo de dois anos, e, entretanto, a ligação irá manter-se através dos acordos já existentes.

A questão da sucessão acrescenta incerteza, já que Boris Johnson, líder da campanha pró-'Brexit', parece uma escolha lógica.

Os jornais britânicos refletem a divisão: "Tiramos o chapéu à Grã-Bretanha!!", titulou o Daily Mail, tabloide que fez uma campanha virulenta contra a Europa, e, a favor da permanência, o Daily Mirror perguntava em primeira página "Que Diabo vai acontecer agora?".

Lusa

  • Parlamento britânico discute petição para novo referendo
    2:29

    Brexit

    O parlamento britânico debate uma petição para um novo referendo já na próxima terça-feira. Neste momento já há muitos arrependidos com o voto pela saída por causa das consequências imediatas da vitória do Brexit, e das que ainda se desconhecem. Somam-se a estes, os descontentes que querem um novo referendo em que haja um mínimo de 75% de afluência às urnas.

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Nove fatores que aumentam o risco de demência

    Mundo

    Um em cada três casos de demência podia ter sido evitado sem recorrer a medicamentos. Um estudo publicado na revista científica The Lancet explica como é possível evitar a demência e quais os fatores que contribuem para a doença.

  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.