sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

Cameron garante que Reino Unido não vai virar as costas à Europa

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, disse hoje no parlamento que, apesar da saída do país da União Europeia (UE) não vai virar as costas à Europa.

© Peter Nicholls / Reuters

Naquela que foi a sua primeira declaração na Câmara dos Comuns sobre o referendo de quinta-feira, que deu a vitória ao 'Brexit', Cameron reconheceu que a decisão "soberana" do povo tem de ser respeitada, apesar das negociações se preverem "complexas" e "difíceis".

Cameron aproveitou ainda a oportunidade para tranquilizar os cidadãos e dizer que as circunstâncias não vão mudar de forma imediata.

"Temos de determinar o tipo de relação que queremos com a UE", disse Cameron, acrescentando que a decisão vai caber ao seu sucessor, a partir de outubro.

O conselho de ministros aprovou hoje a criação de uma nova unidade governativa no Reino Unido, para assessorar as negociações necessárias ao 'Brexit' junto de Bruxelas.

Para já, o Reino Unido não vai ativar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, que estabeleceu o processo de negociação para a saída voluntária de um Estado-Membro da UE, indicou.

Rejeitando um referendo sobre a independência da Escócia, Cameron indicou que Londres vai tomar em conta as opiniões das várias partes constituintes do reino -- Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte -, consultando e protegendo os seus interesses.

Para o primeiro-ministro britânico, a força da economia nacional vai manter-se com inflação baixa e diminuição do desemprego, o que, segundo ele vai ajudar a resistir às dificuldades que possam surgir da decisão saída do referendo.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido deve sair da UE, depois de o 'Brexit' (nome como ficou conhecida a saída britânica da União Europeia) ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira.

Logo na sexta-feira, David Cameron anunciou a sua demissão, com efeitos em outubro, e os líderes da UE defenderam uma saída rápida do Reino Unido.

O Conselho Europeu reúne-se na terça e quarta-feira em Bruxelas para analisar os cenários pós-'Brexit'.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.