sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Políticos franceses querem inglês fora da UE como língua oficial

Os puristas franceses nunca aceitaram bem o facto do inglês lhes ter sido imposto e alguns aproveitaram o Brexit como uma forma de se livrarem da língua de Shakespeare, pelo menos na sede da União Europeia (UE).

© Reinhard Krause / Reuters

Quando o choque da decisão de sair da UE começou, dois políticos franceses pediram que o Reino Unido, antes de ir embora, levasse a sua língua consigo.

"A língua inglesa já não tem qualquer legitimidade em Bruxelas", escreveu na rede social Twitter o autarca de extrema-direita de uma cidade do Sul de Beziers, em França, Robert Menard.

O desprezo pela língua inglesa pareceu atravessar todas as divisões políticas, quando o político de extrema-esquerda Partido de Esquerda, Jean-Luc Melenchon, escreveu também no Twitter: "O inglês já não pode ser a terceira língua oficial do parlamento europeu".

Vários utilizadores da rede social perguntaram a Menard e Melenchon o que é os irlandeses que falam inglês iriam falar caso aquela língua desaparecesse.

Menard lembrou que a primeira língua da Irlanda era oficialmente o gaélico.

A União Europeia tem 24 línguas oficiais e de trabalho.

Em 2014, um relatório da empresa de treino de línguas internacional Education First revelou que a França era o país da União mais fraco no que diz respeito à língua inglesa e que "fazia pouco esforço para melhorar".

"Melhorar as competências de inglês do país não é um tema de debate nacional. Apenas haveria debate público, se fosse proposto que o inglês tivesse alguma importância oficial", lê-se no relatório.

Apesar do estereótipo de que os franceses se coíbem de falar inglês, muitos jovens franceses querem melhorar as suas competências e adotaram muitos anglicanismos na linguagem do dia-a-dia.

"Nós sabemos que chove muito em Inglaterra e que em França estão a chover anglicismos", disse a Academia Francesa na sua página na Internet - que acompanha de perto o aumento de palavras inglesas na linguagem francesa, como os 'brainstorming' e 'briefing' usados pelos empresários.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.