sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Políticos franceses querem inglês fora da UE como língua oficial

Os puristas franceses nunca aceitaram bem o facto do inglês lhes ter sido imposto e alguns aproveitaram o Brexit como uma forma de se livrarem da língua de Shakespeare, pelo menos na sede da União Europeia (UE).

© Reinhard Krause / Reuters

Quando o choque da decisão de sair da UE começou, dois políticos franceses pediram que o Reino Unido, antes de ir embora, levasse a sua língua consigo.

"A língua inglesa já não tem qualquer legitimidade em Bruxelas", escreveu na rede social Twitter o autarca de extrema-direita de uma cidade do Sul de Beziers, em França, Robert Menard.

O desprezo pela língua inglesa pareceu atravessar todas as divisões políticas, quando o político de extrema-esquerda Partido de Esquerda, Jean-Luc Melenchon, escreveu também no Twitter: "O inglês já não pode ser a terceira língua oficial do parlamento europeu".

Vários utilizadores da rede social perguntaram a Menard e Melenchon o que é os irlandeses que falam inglês iriam falar caso aquela língua desaparecesse.

Menard lembrou que a primeira língua da Irlanda era oficialmente o gaélico.

A União Europeia tem 24 línguas oficiais e de trabalho.

Em 2014, um relatório da empresa de treino de línguas internacional Education First revelou que a França era o país da União mais fraco no que diz respeito à língua inglesa e que "fazia pouco esforço para melhorar".

"Melhorar as competências de inglês do país não é um tema de debate nacional. Apenas haveria debate público, se fosse proposto que o inglês tivesse alguma importância oficial", lê-se no relatório.

Apesar do estereótipo de que os franceses se coíbem de falar inglês, muitos jovens franceses querem melhorar as suas competências e adotaram muitos anglicanismos na linguagem do dia-a-dia.

"Nós sabemos que chove muito em Inglaterra e que em França estão a chover anglicismos", disse a Academia Francesa na sua página na Internet - que acompanha de perto o aumento de palavras inglesas na linguagem francesa, como os 'brainstorming' e 'briefing' usados pelos empresários.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • Avicii tinha deixado os palcos há 2 anos por motivos de saúde
    2:14
  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Portugal compromete-se a enviar profissionais de saúde para África
    2:39
  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • Karlie Kloss, o "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59