sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Reino Unido vai criar unidade governativa para negociar saída da UE

O Governo britânico vai criar uma nova unidade de serviço público, cuja tarefa vai ser negociar a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), anunciou hoje a porta-voz do primeiro-ministro, David Cameron.

A nova unidade governativa deverá "desenvolver um intensivo trabalho de serviço civil nos assuntos que terão de ser preparados para apresentar opções e conselhos ao novo primeiro-ministro", disse.

A proposta de estabelecer um gabinete para negociar o Brexit foi feita por David Cameron e foi apoiada pelo Conselho de ministros.

David Cameron anunciou a sua demissão na quinta-feira, com efeitos em outubro, depois da maioria dos britânicos (52%) ter optado pelo Brexit.

A resolução foi apresentada na mesma altura em que Downing Street, residência oficial e escritório do primeiro-ministro, desvalorizou a petição por um novo referendo dentro do reino, para debater a independência da Escócia, passados menos de dois anos desde a última consulta popular sobre o mesmo tema.

"A última coisa que a Escócia precisa agora é de outro referendo divisionista", disse também a porta-voz, alegando que "as razões para a Escócia estar no Reino Unido são tão fortes como eram há 18 meses".

O Governo britânico afirmou também que "não vai tolerar a intolerância", após vários incidentes racistas ou xenófobos terem sido levados a cabo depois do resultado do referendo de quinta-feira, que deu vitória ao Brexit.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido deve sair da UE, depois de o Brexit (nome como ficou conhecida a saída britânica da União Europeia) ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira.

O Conselho Europeu reúne-se na terça e quarta-feira em Bruxelas para analisar os cenários pós-Brexit.

Lusa

  • Reino Unido só deve ativar artigo 50 quando tiver "visão clara" do futuro
    0:37

    Brexit

    O ministro das Finanças britânico diz que o Reino Unido só deve ativar o artigo 50 para deixar a União Europeia quando tiver uma "visão clara" do seu futuro. George Osborne lembrou que acionar o artigo 50 dos Tratados Europeus envolve tempo e que, enquanto isso, o departamento de responsabilidade orçamental deve começar a desenhar um plano para o país depois do resultado do referendo da passada quinta-feira que deu a vitória à saída da União Europeia.

  • Ministro das Finanças britânico diz que Reino Unido está preparado para desafios
    0:33

    Brexit

    O ministro das Finanças do Reino Unido disse que não se avizinham tempos fáceis para a economia do país depois do resultado do referendo sobre a saída da União Europeia. George Osborne diz que não vão ser impostas novas medidas fiscais enquanto não houver um novo primeiro-ministro e garante que a economia britânica está segura o suficiente para aguentar o que está para vir.

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.